Correio do Povo - O portal de notícias dos gaúchos | Versão Impressa

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 18 de Dezembro de 2018

Jornal > Política

ANO 117 Nº 241 - PORTO ALEGRE, SEGUNDA-FEIRA, 28 DE MAIO DE 2012

Deputado integrante da CPI ataca PT

Para o deputado federal Onyx Lorenzoni (Dem), as declarações do ministro do STF Gilmar Mendes estão completamente relacionadas com a CPI de Carlinhos Cachoeira. "Essa CPI só saiu porque o Lula queria constranger os ministros do Supremo Tribunal", declarou Onyx. O deputado disse ainda que não vê nenhuma necessidade de o ministro inventar o suposto pedido de Lula. "É uma coisa horrorosa um ex-presidente se travestir de chantagista", afirmou, salientando que não se surpreende com a atitude do ex-presidente já que acredita que Lula foi o grande beneficiário do esquema do mensalão. "Minha dúvida é zero de que o Lula tenha estruturado e participado do esquema. Ele feudalizou seu governo para que cada ministério tivesse licença do governo para cometer irregularidades", acusou.

A CPI, que iniciou há cerca de um mês, deve dar passos importantes essa semana, pois começará a receber os primeiros dados da quebra de sigilo bancário e telefônico, segundo informou Onyx, único gaúcho que integra a CPI. "Estamos quebrando o sigilo de 14 pessoas e de 11 empresas", destacou.

Para o deputado, essa CPI tem todas as condições para dar resultado e não terminar em "pizza", a exemplo da CPI dos Correios, que, segundo Onyx, também teve uma fase conturbada, mas não terminou mal como a CPI do mensalão. "O que determina uma CPI são os últimos dois meses", destacou o deputado, apontando que a comissão parlamentar de inquérito que investiga Carlinhos Cachoeira e suas conexões ainda deve ter, pelo menos, mais cinco meses de duração, caso não seja prorrogada para 11. "CPI é aquela velha história: a gente sabe como começa, mas nunca sabe como termina", lembra o deputado, frisando que acredita no envolvimento do governo federal nos esquemas de Carlinhos Cachoeira. "Eu espero que termine muito mal para o governo Lula, onde começaram os esquemas, e para o governo Dilma, onde os esquemas foram descobertos", pontuou o parlamentar.