Correio do Povo - O portal de notícias dos gaúchos | Versão Impressa

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 18 de Setembro de 2018

Correio Rural > Capa

ANO 117 Nº 366 - PORTO ALEGRE, DOMINGO, 30 DE SETEMBRO DE 2012

Colostro dá banho de nutrição

 | Foto: vilnei varzim / divulgação / cp

| Foto: vilnei varzim / divulgação / cp


Crédito: vilnei varzim / divulgação / cp

Nem só para o ser humano o colostro, o primeiro leite da mãe após o parto, é rico em nutrientes e importante para imunidade do recém-nascido. No mundo animal ele é tão importante quanto. Se bem administrado nas primeiras horas de vida de uma terneira, por exemplo, pode ser responsável por uma melhor produtora de leite no futuro, devido às condições sanitárias reforçadas do animal depois da ingestão. A informação é fruto de pesquisa da University of Arizona e do U.S National Animal Health Monitoring System, órgão do Usda (equivalente ao Ministério da Agricultura), que analisou 1811 fazendas avaliando 2.177 exemplares na década de 1990.

Atualmente, alguns princípios da pesquisa são usados no Brasil e existem desdobramentos, como a produção de silagem de colostro (ver matéria na página 3), fruto de pesquisa produzida pela Emater de Pelotas, que garante a conservação deste leite em transição tão especial. Se o colostro de qualidade for ministrado na primeira hora de vida da terneira é proporcionada uma maior transferência de memória imunológica da vaca para sua filhote. A capacidade de absorção do recém-nascido diminui com o passar do tempo, possuindo alta receptividade nessas primeiras horas de vida. Daí a necessidade de aproveitar o momento.

Devido ao tipo de placenta dos ruminantes, não ocorre transferência de anticorpos para o feto, o que acontece com os humanos, explica a pesquisadora Carla Bittar, do Departamento de Zootecnia da Universidade de São Paulo (USP). Ou seja, este exemplar depende da ingestão de colostro para adquirir imunidade até que seu sistema imune passe a ser funcional. "Já existem indicativos de que animais que consomem maior quantidade de colostro podem ser mais produtivos nas duas primeiras lactações", explica a pesquisadora da USP. A composição do colostro, lembra ela, é bem diferente daquela observada no leite, com maiores teores de sólidos totais, gordura, proteína e menor teor de lactose. O colostro de primeira ordenha é aquele que apresenta maior qualidade, que é medida pela concentração de imunoglobulinas (anticorpos), sendo a mesma reduzida conforme as ordenhas. A pesquisadora acrescenta que exemplares que consumiram o dobro da quantidade tradicionalmente recomendada de colostro de alta qualidade apresentaram maior ganho de peso até a prenhez.

A veterinária, pesquisadora da Emater de Pelotas, responsável pela pesquisa sobre silagem de colostro, Mara Helena Saalfeld, explica que o leite especial tem que ser ministrado em seguida do nascimento para poder ser absorvido e passar direto à corrente sanguínea. "Quanto antes isso ocorrer, melhor. A quantidade é calculada em dez por cento do peso do animal em duas mamadas no dia. Ou mais fracionado", explica a veterinária. A partir de oito horas, o próprio colostro tem substâncias bioativas que acabam impedindo a absorção da imunoglobulina.

O QUE É

O leite que a mãe produz até seis dias (no caso dos bovinos) após o parto é chamado de colostro. O colostro possui uma composição diferente da do leite comum, é rico em imunoglobulinas e gordura e tem pouca lactose.

Neste período, o leite da vaca não pode ser vendido e, devido ao volume ofertado desta substância de alta qualidade nutricional, pode ser feita a conservação deste leite em garrafas PET, o que é chamado de silagem de colostro.