Correio do Povo - O portal de notícias dos gaúchos | Versão Impressa

Porto Alegre

19ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 17 de Novembro de 2018

Vitrine > Capa

ANO 117 Nº 366 - PORTO ALEGRE, DOMINGO, 30 DE SETEMBRO DE 2012

Evitar chás em excesso

 | Foto: ANYA ANYA / DIVULGAÇÃO / CP

| Foto: ANYA ANYA / DIVULGAÇÃO / CP


Crédito: ANYA ANYA / DIVULGAÇÃO / CP

Chás são conhecidos por suas propriedades benéficas. Mas como tudo que é consumido em excesso, também podem gerar consequências inesperadas ao organismo após ingestão continuada por muito tempo.

O uso de terapias alternativas, que muitas vezes receitam chás, podem resultar em problemas para o fígado, conforme alerta a Sociedade Brasileira de Hepatologia. É o caso de toxicidade hepática, um distúrbio do fígado causado por uma toxina. Desta forma, nem sempre é verdadeira a ideia que se passa a muitos pacientes, de que, por ingerirem medicamentos ditos naturais, não farão nenhum mal ao organismo. Algumas das ervas com as quais se deve ter cuidado são a erva cavalinha (para fígado), a cáscara sagrada (planta utilizada para emagrecimento) e confrei (utilizada como anti-inflamatório). É indicado não abusar das ervas ou consultar um médico ou nutricionista em caso de dúvida.

Um outro chá que levantou suspeitas na área da saúde recentemente foi o chá verde, que pode mascarar os níveis de testosterona no corpo. Um estudo encontrou extratos contidos na bebida que reduziram as concentrações do hormônio masculino em mais de 30%. O estudo foi realizado em roedores na Universidade Kingston (Inglaterra). Apesar da descoberta, especialistas em teste antidoping disseram não se preocupar com a possibilidade de atletas usarem o chá para "maquiar" a taxa de testosterona em casos de doping, mesmo lembrando que testosterona é um dos tipos de anabolizantes.

Com informações do "Daily Mail", os especialistas mais envolvidos com o tema afirmam que atletas que usam testosterona com esse fim, geralmente, tem um aumento entre 200 a 300 % da taxa do hormônio no corpo. Ao longo do estudo, os pesquisadores adicionaram catequinas (compostos antioxidantes encontrados nas folhas) de chás verde e branco ao hormônio e descobriram que eles reduziam sua concentração em pelo menos 30%. De qualquer maneira, a agência mundial antidoping (Wada) diz ser possível incluir alguma modificação no exame antidoping levando em conta esta pesquisa.