CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, SEGUNDA-FEIRA, 7 DE FEVEREIRO DE 2000

Música gaúcha perde mais um ícone
O cantor e compositor Leopoldo Rassier, de 63 anos, morreu na madrugada de ontem, vítima de câncer




20MUSICA.jpg Inúmeros amigos e colegas acompanharam o sepultamento do tradicionalista


Amigos, fãs e parentes prestaram a última homenagem ao cantor e compositor nativista Leopoldo Rassier, falecido na madrugada de ontem, em Porto Alegre. Autor de músicas consagradas, como 'Não Podemos Se Entregar Pros Homens' e 'Sábios Moços', foi um dos ícones da Califórnia da Canção Nativa, o festival mais tradicional do gênero no Estado. Vítima de câncer, o pelotense de 63 anos foi enterrado, às 17h, no cemitério Jardim da Paz, em Porto Alegre. A cerimônia, marcada por muita emoção, teve canções de sua autoria entoadas por vozes de integrantes do movimento tradicionalista, entre eles, Gaúcho da Fronteira, Vítor Hugo e Daniel Torres.

Casado pela segunda vez há pouco mais de cinco meses, Leopoldo Rassier tinha dois filhos, quatro irmãos e era fazendeiro em Pelotas, onde também exercia a profissão de advogado. 'Sem dúvida alguma foi um dos maiores cantores do Rio Grande do Sul', definiu o tradicionalista e amigo pessoal Nico Fagundes. Conhecido no meio pela característica de unir os colegas de profissão e pelo grande carisma, era considerado como um padrinho pelo cantor Daniel Torres. 'Foi com ele que cantei pela primeira vez no Rio Grande do Sul', destacou. 'Não há alguém que não goste dele e sua morte foi uma perda irreparável.'

'Leopoldo foi uma pessoa que só colaborou com a cultura gaúcha.' As palavras de Gaúcho da Fronteira revelam a importânica de Leopoldo Rassier dentro do movimento tradicionalista. 'Ele sempre trazia em seus versos problemas sociais, era um artista modelo e uma personalidade séria da elite cultural do Rio Grande', acrescentou o músico. 'Foi uma perda muito grande para o Estado, que há pouco já havia perdido o nosso querido Jaime Caetano Braum.'

Vários outros amigos estiveram presentes no emocionante adeus a Leopoldo Rassier. Ao som de suas próprias canções, o sepultamento ocorreu no lugar escolhido por ele mesmo, há dois anos. 'Quando Algacir Costa (músico e compositor) foi enterrado aqui, o Leopoldo achou o lugar lindo e disse que era aqui que queria repousar para sempre', disse Daniel Torres.



Correio do Povo
Porto Alegre - RS - Brasil