Copa na Rússia teve mais de 5 mil transmissões ilegais, diz Irdeto

Brasil e Suíça foi a partida mais assistida de forma ilegal online. Foto: Reprodução / Twitter Fifa / CP

A Copa do Mundo na Rússia teve mais de cinco mil transmissões ilegais ao vivo – os chamados streamings – registrados dos jogos durante a fase de grupos da competição. De acordo com a Irdeto, empresa responsável por segurança em plataformas digitais, a Seleção Brasileira foi a mais pirateada, com mais de 582 streams ilegais detectados para os três jogos da primeira fase, seguido por Marrocos (561 streams) e Portugal (535). Conforme a apuração da empresa, 3.773 do total de 5.088 streams foram detectados em mídias sociais como Facebook, Periscope, YouTube e Twitch, e alcançou 4.292.874 espectadores.

Já Portugal foi o time mais visto ilegalmente nestes canais. Segundo a Irdeto, os jogos da equipe portuguesa tiveram um número estimado de 826.660 espectadores – seguido por Marrocos e Brasil. Já a partida da Seleção Brasileira contra a Suíça acumulou uma estimativa de 613.715 espectadores, informou a Irdeto.

Segundo vice-presidente Sênior de Serviços de Segurança Cibernética da Irdeto, Rory O´Connor, os criminosos têm como alvo conteúdos premium de esportes, como a Liga dos Campeões e a Copa do Mundo, e estão ganhando uma fortuna ao roubar esses direitos de transmissão. Para ele, muitos optam por este serviço pois acreditam ser mais acessível. “Proprietários de conteúdo, que são os detentores desses direitos, e proprietários de plataforma, devem atuar juntos com o objetivo de buscar tecnologia e serviços proativos para derrubar streams em tempo real”, disse.

“Os criminosos que ganham dinheiro por meio dessa atividade ilegal possuem pouca consideração pelos seus espectadores e os estão expondo ao cibercrime, conteúdos inadequados e infecção por malware. Além disso, os consumidores podem sofrer penas criminais se decidirem compartilhar esses conteúdos ilegais com amigos nas redes sociais”, completou.

De acordo com Gabriel Ricardo Hahmann, diretor de vendas para da América do Sul da Irdeto, as soluções para este tipo de situação acontecem quando os streams são automatizadas, detectadas e interrompidas utilizando indexadores de pesquisa e até marcas d’água que são aplicadas nos filmes. “Focamos campeões de audiência como o YouTube e ferramentas de buscas. Falamos em nome das empresas que adquiriram os direitos de transmissão e pedimos para interromperem o serviço”, afirmou. Segundo ele, as ferramentas conseguem identificar os logos dos canais enviando alerta aos analistas para bloquearem a transmissão de qualquer programa irregular.

Copa do Mundo de 2014

Na última edição da Copa do Mundo, em 2014, a empresa identificou e conseguiu tirar do ar mais de 3,7 mil transmissões ao vivo. No total, 10 milhões de usuários tiveram o serviço pirata interrompido e uma perda estimada de US$ 120 milhões para as empresas que investiram na compra dos direitos de transmissão das partidas de futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *