Porto Alegre

15ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de Junho de 2017

  • 02/06/2011
  • 18:24
  • Atualização: 19:12

Tartarugas marinhas debilitadas recebem tratamento em Rio Grande

Centro de Recuperação de Animais Marinhos cuida de espécimes que ingeriram lixo no mar

  • Comentários
  • Carmen Ziebell / Correio do Povo

O Centro de Recuperação de Animais Marinhos (Cram), do Museu Oceanográfico da Furg, está tratando 32 tartarugas marinhas, levadas para o local nas últimas três semanas. Só na terça-feira, chegaram nove. Todas debilitadas devido à ingestão de lixo encontrado no mar. São tartarugas jovens das espécies verde, tartaruga-de-pente e cabeçuda, recolhidas na região do Cassino a Barra do Chuí, Sâo José do Norte, Tavares e Mostardas, em monitoramentos de praia realizados pelo Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (Nema) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) da Lagoa do Peixe.

Conforme a bióloga marinha Roberta Petitet e o veterinário Pedro Bruno, do Cram, todas apresentam quadro típico de ingestão de lixo. Três delas também estão com outros problemas, sendo uma com uma nadadeira estrangulada e outra sem uma nadadeira, ambas provavelmente por contato com rede de pesca, e uma terceira com o casco quebrado, o que deve ter ocorrido por choque com alguma embarcação. O tratamento no Cram se dá com hidratação, antibiótico e óleo mineral. Esse último objetiva fazer com que o fluxo gastrointestinal volte ao normal, para ver se elas expelem o lixo.

Pedro Bruno destaca que 99% das tartarugas que chegam ao Cram são vítimas de ingestão de lixo. Ele contou que há dois meses havia 15 tartarugas marinhas no Cram, das quais 80% morreram. E nas necropsias foi constatado que todas tinham ingerido resíduos. Segundo o veterinário, esses animais têm seus hábitos alimentares preferenciais, mas são oportunistas, alimentando-se também de outros organismos. Por isso acabam ingerindo estes materiais. Ele ressalta a necessidade de as pessoas se conscientizarem de que não basta só deixar de jogar lixo no mar, pois o que é jogado nas ruas é levado pelas chuvas para as valetas, arroios e rios, pelos quais chegam às lagoas e ao mar.

Centro de Recuperação de Animais Marinhos cuida de espécimes que ingeriram lixo no mar | Foto: Carlos Queiroz / Especial CP

O diretor do Museu Oceanográfico da Furg, oceanólogo Lauro Barcellos, informa que a quantidade de lixo no oceano está aumentando. "É consequência de falta de educação ambiental e de um desordenamento da ocupação litorânea por comunidades, e que, infelizmente, afeta diretamente as tartarugas marinhas. Nos monitoramentos que o Museu Oceanográfico realiza, observamos grandes quantidades de lixo depositadas na praia entre Mostardas e Chuí", afirma. 

A equipe do Cram ainda não tem previsão de quando os animais estarão reabilitados e em condições de serem reconduzidos ao mar. As tartarugas verde e cabeçuda, que costumam utilizar a costa do Rio Grande do Sul em busca de alimento, e a de-pente são espécies ameaçadas de extinção, sendo que essa última está em fase crítica. As de-pente não são comuns na costa gaúcha, são de regiões mais quentes.

Bookmark and Share


TAGS » Geral