Correio do Povo

Porto Alegre, 16 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
16ºC
Amanhã
18º 29º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

03/12/2013 11:05 - Atualizado em 03/12/2013 11:18

Manifestantes entram na sede do governo tailandês

Crise política provocou violentos confrontos

Manifestantes entram na sede do governo tailandês <br /><b>Crédito: </b> Indranil Mukherjee / AFP / CP
Manifestantes entram na sede do governo tailandês
Crédito: Indranil Mukherjee / AFP / CP
Manifestantes entram na sede do governo tailandês
Crédito: Indranil Mukherjee / AFP / CP

Milhares de manifestantes foram autorizados nesta terça-feira a entrar na sede do governo e no quartel-general da polícia de Bangcoc, em uma tentativa das autoridades tailandesas de acalmar uma crise política que provocou violentos confrontos.

"O objetivo é criar uma boa atmosfera para que a celebração do aniversário do rei (quinta-feira) aconteça com bons presságios e para que o rei esteja feliz", declarou o vice-primeiro-ministro Surapong Tovichakchaikul. Depois de cercar a sede do governo por vários dias, os manifestantes entraram na sede do governo e chegaram a fazer fotos com os policiais.

"Com o objetivo de reduzir a tensão entre os manifestantes e a polícia, abrimos as barreiras para permitir que os manifestantes entrem no local",anunciou o centro de crise governamental. "Conversações poderão acontecer depois do aniversário do rei", que acontece na quinta-feira, disse Paradorn Pattanatabut, diretor do Conselho de Segurança Nacional.

"A crise levará tempo para ser resolvida com uma negociações", completou. Mas o líder das manifestações pediu que os opositores prossigam com os protestos até que o objetivo final seja alcançado: derrubar o governo. "É uma vitória parcial. Mas não é a final, já que o regime continua de pé. Ainda não podem voltar para casa, devemos
prosseguir com nossa luta", afirmou Suthep Thaugsaban aos seguidores.

A oposição, que chegou a reunir até 180.000 pessoas nas ruas, desafia a autoridade da primeira-ministra Yingluck Shinawatra há várias semanas. Ela é acusada de ser a marionete do irmão Thaksin, derrubado por um golpe de Estado em 2006.

Vitória do "exército popular" Yingluck Shinawatra viajou da capital para o balneário de Hua Hin, onde o rei Bhumibol vive, para preparar as celebrações do 86º aniversário do reverenciado monarca, que acontecerão na quinta-feira. Apesar da primeira-ministra continuar no cargo, a oposição proclamou vitória.

"A vitória está nas mãos do 'exército popular'. Nós podemos tomar todos os edifícios importantes do governo", afirmou  Issara Somchai, um dos líderes dos protestos, diante da multidão eufórica reunida no Monumento da Democracia, local simbólico das manifestações.

A polícia defendia há vários dias a sede do governo, o local mais simbólico do poder, com bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e jatos de água. Mas nesta terça-feira, os blocos de cimento e os alambrados foram afastados para permitir a entrada dos manifestantes, que avançaram pelo complexo sem resistência. A mesma situação foi registrada no quartel-general da polícia metropolitana de Bangcoc, na qual entraram milhares de manifestantes

O chefe da polícia metropolitana, tenente-general Kamronwit Thookrajang, vaiado pela multidão por sua relação estreita com Thaksin, havia afirmado que as tropas não impediriam a entrada dos manifestantes, pois o quartel-general "pertence ao povo".

Os manifestantes, uma aliança de burgueses conservadores vinculados ao Partido Democrata e pequenos grupos
ultramonárquicos, têm um ódio profundo a Thaksin que se estende a sua irmã, que governa o país desde 2011, depois de uma grande vitória nas urnas do partido Puea Thai. 

Bookmark and Share


Fonte: AFP







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.