Correio do Povo

Porto Alegre, 17 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
19º 26º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

03/12/2013 22:42 - Atualizado em 03/12/2013 22:58

Grupo busca igualar direitos de chimpanzés aos dos humanos

Processos para quatro símios pedem liberdade física em santuário de preservação nos EUA

Chimpanzés que agem como humanos podem ser astros da TV e de filmes em Hollywood, mas agora ações em três cortes de justiça de Nova Iorque pedem o reconhecimento de quatro símios como "pessoas legais", com direitos fundamentais. A ação visa à libertação em santuários onde os chimpanzés poderiam viver o resto de seus dias em liberdade, explicou o grupo Nonhuman Rights Project, autor da iniciativa.

Na segunda-feira, o grupo apresentou uma petição a uma corte de Fulton County, em nome de Tommy, um chimpanzé mantido em cativeiro em uma jaula no estacionamento de um trailer na vizinha Gloversville. Nesta terça-feira, fez o mesmo por Kiko, um chimpanzé de 26 anos que é surdo e vive em uma residência privada em Niagara Falls.

Na quinta-feira, o grupo apresentará uma petição similar em nome de Hércules e Leo, de propriedade de um centro de pesquisas e usados em experimentos de locomoção em Long Island. "Os processos pedem ao juiz para garantir aos chimpanzés o direito de liberdade física", destacou a organização. Lá, os animais podem viver seus dias em um ambiente o mais próximo possível da selva na América do Norte, acrescentaram.

O caso se baseia no princípio do habeas corpus, que os autores da petição afirmaram que permitiu aos escravos rejeitar seu status e estabelecer o direito de liberdade. "Nossas petições legais e memorandos, juntamente com os depoimentos juramentados dos mais respeitados cientistas do mundo, expõem um caso claro de porque estes seres vivos cognitivamente complexos e autônomos possuem o direito legal básico a não ser aprisionados", escreveram.

As cortes podem decidir acolher ou não as petições, mas se se recusarem, a organização tem o direito de apelar. O Nonhuman Rights Project trabalha para mudar o status da lei comum de pelo menos alguns animais para "pessoas", que passariam a ter direitos fundamentais, como integridade física e liberdade física.


Bookmark and Share

Fonte: AFP







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.