Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
12º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

04/12/2013 17:34 - Atualizado em 04/12/2013 17:46

Morador de rua preso em protesto no Rio é condenado a cinco anos de prisão

Homem portava com coquetel molotov, segundo juiz

A Justiça do Rio condenou a cinco anos de prisão o morador de rua Rafael Braga Vieira, preso em flagrante na madrugada do dia 21 de junho, após a manifestação que reuniu 300 mil pessoas na avenida Presidente Vargas. Ele estava com “dois frascos contendo substância inflamável com pedaços de pano presos em seu bocal, conhecidos como coquetel-molotov”, como descreve a sentença do juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte.

Rafael foi preso por policiais da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima que o viram entrar com uma mochila em uma loja abandonada em frente à unidade, na Praça 11, e sair com as duas garrafas de plástico na mão. Ele continua preso preventivamente.

Na sentença, o juiz afirma que o réu tinha intenção de provocar um incêndio. “Vale destacar que as circunstâncias em que ocorreu a prisão, ou seja, enquanto ocorria uma enorme manifestação popular, com concentração aproximada de 300 mil pessoas na Avenida Presidente Vargas, conforme amplamente divulgado na mídia, e no mesmo dia em que ocorreu confronto com as forças policiais, deixam claro que o intento do réu não seria outro senão o de proceder ao incêndio de qualquer objeto ou pessoas.”

Naquele dia, a própria delegacia foi atingida por bomba de gás lacrimogêneo lançada pela polícia. O confronto entre policias e manifestantes começou em frente à prefeitura, quando policiais que reforçavam a segurança do prédio começaram a dispersar os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo. Depois disso, houve depredação na Avenida Presidente Vargas.

O juiz registrou que o réu é reincidente, com duas condenações por roubo. A sentença ainda não foi publicada. A defensora pública Enedir Adalberto dos Santos informou, por meio de nota, que a defensoria e o réu “ainda não foram intimados da sentença” e que, após a intimação, “será avaliada a entrada de recurso com vistas à reforma da decisão”.

Bookmark and Share

Fonte: Agência Brasil







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.