Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
19ºC
Amanhã
13º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Economia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

05/12/2013 12:18 - Atualizado em 05/12/2013 12:24

Porto Alegre segue com cesta básica mais cara do País, indica Dieese

Com alta de 9,3%, tomate voltou a pesar no bolso do consumidor em novembro

Porto Alegre seguiu em novembro com a cesta básica mais cara entre as 18 capitais brasileiras pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). De acordo com os dados divulgados nesta quinta-feira, o conjunto de 13 itens custou no mês passado R$ 328,72, uma alta de 1,18% na comparação com outubro.

Cinco produtos em especial pesaram mais no bolso do consumidor. O principal deles foi o tomate, que teve alta de 9,3%. O aumento está relacionado às condições climáticas que afetam a produção e a redução no volume de produto disponível, explicou a economista do Dieese, Daniela Sandi.

O açúcar e o pão também ficaram mais caros para os consumidores. Os clientes encontraram, porém, algumas reduções, como na batata, que ficou 4,62% mais barata; no café (-3,85%) e no leite (-3,81%). Apesar das variações de preço dos produtos ao longo do ano, a cesta básica acumulou alta de 11,6%, apontando para um reajuste médio dos preços. Segundo a economista, a redução de tributação feita pelo governo federal, em março deste ano, pode ter auxiliado para que o aumento não fosse maior, mesmo sem poder precisar o impacto das desonerações.

A verdade é que a população precisa trabalhar mais para comprar os itens considerados básicos de alimentação. O custo da cesta básica representa 52,70% do salário mínimo líquido, sendo que em novembro do ano passado, representava 50,12%. Em carga horária, isso significa que o trabalhador precisa cumprir uma jornada de 106h40min para adquirir os produtos básicos.

A elevação no custo da cesta básica não foi exclusiva em Porto Alegre. De acordo com o DIEESE, das 18 capitais pesquisadas, 15 apresentaram reajustes. As maiores elevações ficaram em Fortaleza, com 3,47%; Florianópolis e Belo Horizonte, com 2,67%. Foi registrado redução em Goiânia, Aracaju e Recife.

 Bookmark and Share


Fonte: Mauren Xavier / Correio do Povo







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.