Correio do Povo

Porto Alegre, 23 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
14º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

08/12/2013 14:58

Manifestantes ucranianos derrubam estátua de Lênin em Kiev

Centenas de milhares protestam contra decisão do governo de rejeitar acordo com a UE

Centenas de milhares protestam contra decisão do governo de rejeitar acordo com a UE<br /><b>Crédito: </b> Anatoli Boiko/AFP/CP
Centenas de milhares protestam contra decisão do governo de rejeitar acordo com a UE
Crédito: Anatoli Boiko/AFP/CP
Centenas de milhares protestam contra decisão do governo de rejeitar acordo com a UE
Crédito: Anatoli Boiko/AFP/CP

Manifestantes ucranianos que protestavam contra a rejeição do governo de um pacto com a União Europeia (UE) derrubaram neste domingo uma estátua de Lênin na praça central de Kiev. A mobilização pró-europeia reuniu centenas de milhares de pessoas pedindo a renúncia do presidente Viktor Yanukovich, acusado de "vender" a Ucrânia à Rússia após sua rejeição em assinar um acordo de associação com a UE.

Entre 250 mil e 300 mil pessoas lotaram a Praça da Independência, o local emblemático da Revolução Laranja de 2004, assim como as ruas próximas, ao grito de "Renúncia!". "Estamos aqui pelo futuro europeu da Ucrânia, por nossos filhos e netos. Queremos que a justiça reine em todo o mundo e que o poder deixe de roubar", declarou um aposentado de 52 anos, Viktor Melnichuk.

Arseni Yatseniuk, um dos líderes da oposição, convocou os manifestantes a aumentarem a contestação e a bloquearem o bairro governamental. Eles ergueram várias barracas perto da sede do governo e começaram a levantar barricadas com cestas de flores, segundo imagens divulgadas pela televisão ucraniana.

Pouco depois da grande manifestação, os Serviços Especiais Ucranianos (SBU) anunciaram a abertura de uma investigação por tentativa de tomada de poder após as ações ilegais de alguns políticos, sem citar quais, que podem enfrentar até 10 anos de prisão.

Europa ou a ditadura

Já a ex-primeira-ministra ucraniana Yulia Timoshenko pediu a renúncia imediata de Yanukovich, em uma declaração lida em um comício em Kiev por sua filha. "Hoje podemos decidir entre afundarmos em uma ditadura corrupta ou a volta ao lar, na Europa", acrescentou Yevguenia Timoshenk citando sua mãe em uma mensagem enviada desde a prisão.

No domingo passado, entre 200 mil e 500 mil pessoas protestaram na praça depois de terem sido desalojadas à força dois dias antes pela polícia, em uma operação que deixou dezenas de feridos, muitos deles estudantes. No sábado, cerca de mil pessoas protestaram no mesmo local, também conhecido pelo nome de Maidan.

A rejeição do presidente em assinar um acordo de associação com a União Europeia negociado durante meses. A tensão aumentou após uma reunião entre Yanukovich e o presidente russo, Vladimir Putin, na sexta-feira, para discutir um acordo de associação estratégica entre os dois países.

Os europeus acusam a Rússia de ter exercido pressões econômicas e ameaças inaceitáveis sobre a Ucrânia, que atravessa uma crise econômica e financeira, para que o país renuncie à associação com a UE. Já a oposição denunciou no sábado a intenção de Yanukovich de assinar este acordo com o objetivo de fazer a Ucrânia aderir à união aduaneira de repúblicas soviéticas liderada por Moscou.

Os rumores deste possível acordo com a Rússia foram recebidos com preocupação nas fileiras da oposição, que protesta há duas semanas nas ruas. O primeiro-ministro ucraniano, Mykola Azarov, classificou estas informações de "mentiras e provocações". Já o boxeador Vitali Klitshko, outro líder da oposição, convocou uma greve geral. "Estou certo de que somos capazes de derrubar o poder", declarou.

A oposição pede a organização de eleições antecipadas e a punição dos responsáveis pela violência policial, assim como a libertação das pessoas detidas por distúrbios. A Ucrânia está há mais de um ano em recessão e tem um enorme déficit público que pode levar o país à quebra, segundo analistas e investidores, que acreditam que Moscou pode abaixar o preço do gás que vende ao país se o governo ucraniano desistir de se aproximar da Europa.


Bookmark and Share

Fonte: AFP







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.