Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
11º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

10/12/2013 14:54 - Atualizado em 10/12/2013 15:07

Fiergs avalia crescimento da indústria gaúcha como baixo

Taxa de expansão de produção no Estado foi de 1,6% na média de 2012 e 2013

O cenário para a indústria no Rio Grande do Sul não é bom, conforme avaliação da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), que divulgou balanço nesta terça-feira em Porto Alegre. A taxa de expansão de produção foi de 1,6% na média de 2012 e 2013. Segundo o presidente da entidade, Heitor Müller, apesar de o desempenho, este ano, ter variado 6,8%, a comparação com 2012, que registrou índice de -5,1%, é muito baixa. Portanto, considera o crescimento muito pequeno para o Estado. “Há dez anos, o comércio cresce mais do que a indústria”, disse.

Isso significa, segundo ele, que a demanda do varejo tem sido suprida por mercadorias importadas, especialmente da China, já que a produção não está acompanhando. “Até agora, são 11 bilhões de dólares de déficit da manufatura do Brasil”, afirmou. Enquanto isso, o setor calçadista enfrenta entraves na fronteira da Argentina. “O Mercosul é uma ficção, por causa de todos os produtos que estão parados lá há meses”, destacou. Mais de 700 mil pares de sapato estariam barrados de entrar no mercado argentino.

Para Müller, o Piso Regional é outro fator que prejudica o desempenho. “É difícil manter a competitividade”, disse, lembrando que deve ser votado na Assembleia Legislativa um reajuste de 12,75% nos salários. Ele explicou que o aumento gera inflação, pois os empresários precisam aumentar o preço dos produtos para pagar melhor os funcionários e esses trabalhadores acabam tendo os rendimentos desvalorizados em razão da alta das mercadorias. “É um efeito dominó”, afirmou.

Apesar disso, salientou que não há previsão de redução de vagas. Devem ser abertos 20,6 mil postos de trabalho em 2014 somente na indústria. O crescimento, porém, é menor do que o de outros anos. “Não se produz tanto. Então não precisa de tanta gente”, acrescentou o economista da entidade, André Nunes.

Infraestrutura

O processo de desindustrialização continuará, segundo o presidente da Fiergs, caso o governo não invista fortemente em infraestrutura. A indústria participava de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) há alguns anos e hoje contribui com 14%. “O setor calçadista não está nem 50% do que era”, ressaltou. Um reflexo disso, na opinião dele, é a redução de população de 56% dos municípios gaúchos, em dez anos. Avalia que os jovens têm saído dos pequenos municípios por falta de empregos e isso se deve a diminuição da produção.

Para recuperar o setor, Müller entende que será necessário melhorar a logística. “Não vamos conseguir crescer mais de 2,5% ao ano com essa infraestrutura”, comentou. A previsão de uma grande safra também preocupa: “Não teremos como escoar a produção”. A previsão para o próximo ano, segundo o economista da Fiergs, é de uma variação de 2,1% do PIB gaúcho e de 1,9% da indústria. “Terá uma desaceleração”, informou.

Bookmark and Share

Fonte: Karina Reif / Correio do Povo







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.