Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
11º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Economia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

11/12/2013 13:27

Mantega anuncia aumento nas taxas do PSI em 2014

Programa de Sustentação do Investimento foi lançado em julho de 2009

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta quarta, durante o Encontro Nacional da Indústria, em Brasília, que haverá mudança nas taxas do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) no ano que vem. Mantega afirmou, ainda, que o desembolso do programa para este ano será de R$ 80 bilhões.

As taxas para ônibus e caminhões passarão de 4% neste ano para 6% no ano que vem. Para programas de inovação, as taxas mudam de 3,5% para 4%. Já as taxas para exportação passam de 5,5% para 8%. "As taxas cresceram pouco, acompanhando a Selic, mas continuarão atraentes", disse o ministro.

O PSI foi lançado em julho de 2009 como parte das medidas do governo para mitigar os efeitos da crise financeira internacional sobre a economia brasileira. Com a escassez de crédito naquele momento e a retração dos investimentos, as linhas do programa foram criadas para financiar principalmente a aquisição de bens de capital, caminhões e exportações.

O PSI vem sendo prorrogado desde então, mas os juros e os prazos dos empréstimos foram adaptados ao longo do tempo. Grande parte do orçamento do programa é administrado pelo BNDES.

Desonerações

O ministro afirmou ainda que a indústria brasileira reage à política de desonerações da folha de pagamento. "O governo implementou desonerações tributárias que reduziram custos e agora temos um câmbio mais favorável para que os produtos brasileiros possam competir, seja no nosso mercado ou no mercado externo", afirmou.

Mantega justificou a adoção das medidas e disse que, em período de crise, o governo faz política anticíclica, como as desonerações, que "reduzem momentaneamente a arrecadação". O ministro da Fazenda afirmou que, por conta das desonerações, o governo registrou 1 ponto porcentual do PIB a menos do resultado fiscal em 2012. "Isso seria o suficiente para que eu tivesse fechado o resultado primário cheio (no ano passado), sem nenhuma redução".



Bookmark and Share

Fonte: AE





» Tags:Economia


O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.