Correio do Povo

Porto Alegre, 16 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
19º 29º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

13/12/2013 13:20 - Atualizado em 13/12/2013 13:21

Rússia impede que tripulantes estrangeiros do Greenpeace deixem o país

Bióloga Ana Paula Maciel deve ficar por tempo indeterminado no local

Bióloga Ana Paula Maciel deve ficar por tempo indeterminado no local<br /><b>Crédito: </b> Olga Maltseva / AFP / CP
Bióloga Ana Paula Maciel deve ficar por tempo indeterminado no local
Crédito: Olga Maltseva / AFP / CP
Bióloga Ana Paula Maciel deve ficar por tempo indeterminado no local
Crédito: Olga Maltseva / AFP / CP

Os tripulantes estrangeiros do barco do Greenpeace, entre eles a brasileira Ana Paula Maciel, detidos em setembro em território russo e colocados em liberdade dois meses depois, não poderão deixar a Rússia, indicou a ONG nesta sexta-feira. Os advogados da organização ecologista solicitaram às autoridades russas a possibilidade de que um dos 26 membros estrangeiros da tripulação do Artic Sunrise, interceptado por um comando russo após um protesto contra uma plataforma de petróleo no Ártico, deixe o país. No entanto, a militante dinamarquesa Anne Mie Jense recebeu uma carta da comissão de investigação russa que indicava que os estrangeiros envolvidos "não eram livres para abandonar o país", indicou o Greenpeace em um comunicado, sem informar quando poderiam fazê-lo.

Segundo a organização, a Rússia ignora a decisão do Tribunal internacional do direito do mar, que convocou Moscou em novembro a permitir que os tripulantes estrangeiros possam voltar aos seus respectivos países. O governo russo indicou que não reconhecia a competência deste tribunal no caso do Greenpeace.

Após sua detenção, os militantes estrangeiros da ONG, em liberdade sob fiança desde novembro, não contam com o visto de seus passaportes, que certifica a entrada legal do país, e por isso não podem deixar a Rússia. O chefe da administração presidencial russa, Serguei Ivanov, indicou em novembro que os detidos poderão abandonar o país "quando as questões (jurídicas) sobre a forma pela qual poderão sair da Rússia tiverem sido resolvidas", em referência à falta de vistos russos para os membros estrangeiros da tripulação. Os militantes enfrentam uma pena de até sete anos de prisão por vandalismo.

Bookmark and Share

Fonte: AFP







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.