Correio do Povo

Porto Alegre, 25 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
13ºC
Amanhã
13º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

19/12/2013 20:11 - Atualizado em 19/12/2013 20:18

Documento inédito prova que Jango foi espionado na Argentina

Exército brasileiro pediu informações sobre exilados no país vizinho durante a ditadura militar

A Comissão Nacional da Verdade e o Instituto Presidente João Goulart revelaram, nesta quinta-feira, em Brasília, um documento inédito da ditadura militar. No material, taxado como confidencial e datado de 20 de maio de 1976, pode ser verificada a marca d"água de uma unidade do 3º Exército em Cascavel, no Paraná; e uma lista de 91 nomes de brasileiros exilados na Argentina, entre eles o do ex-presidente João Goulart.

O Exército brasileiro pede ao governo da Argentina, que também vivia sob um ditadura, informações sobre esses exilados. Entre os dados requisitados estão a confirmação dos relacionados, a localização atual, além de documentos de identidades e fotografias atuais e possíveis acompanhantes. A lista abrange, além de Jango, nomes como João Carlos Bona Garcia, Flávio Tavares e Moniz Bandeira.

De acordo com Christopher Goulart, neto de Jango e diretor de Acervo e Comunicação do Instituto Presidente João Goulart, o documento do Exército brasileiro remetido às forças de segurança argentinas prova a existência da Operação Condor, que uniu países latino-americanos na luta contra as chamadas forças subversivas. O papel foi expedido pouco menos de sete meses antes da morte de Jango, em Mercedes, na Argentina. A versão oficial dá conta de que o presidente sofreu um enfarte, mas há suspeita de que ele tenha sido envenenado.

Os restos mortais de João Goulart foram transferidos para Brasília para a realização de testes que podem identificar se ele foi vítima de envenamento ou morreu por problemas cardíacos. O resultado pode demorar um ano para ser finalizado. No último dia 6 de dezembro, 37 anos após a morte, Jango foi novamente sepultado em São Borja, com honras militares. Nessa quarta-feira, o Congresso restitiuiu o mandato do trabalhista como presidente.


Bookmark and Share

Fonte: Rádio Guaíba







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.