Correio do Povo

Porto Alegre, 23 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
13º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

24/12/2013 17:36

Taxista morto após discussão iria alugar apartamento com namorada

João Pedro de Souza foi o sexto motorista assassinado em Porto Alegre no ano

Taxista morto após discussão iria alugar apartamento com namorada
Crédito: Tarsila Pereira

O taxista João Pedro de Souza, morto a tiro nessa segunda-feira, no bairro Nonoai, em Porto Alegre, foi enterrado na terça, no início da tarde. Aos 29 anos, ele deixa uma filha, de 2 anos, e a namorada Marina Silveira da Silva, com quem iria morar no apartamento recém alugado. No Cemitério da Santa Casa, o clima era de desolação. Muitos familiares e amigos se fizeram presentes.

Souza era taxista há dois meses. Tinha ganhado o veículo do avô, com quem morava junto. Trabalhava durante o dia e não tinha receio do perigo. Antes do táxi, atuou como instrutor de autoescola. “Ele sempre gostava muito do que fazia. Era uma pessoa tranquila, sempre sorridente. Eu vejo que as pessoas estão deixando de ser humanas. precisamos respeitar o próximo. Eu nunca mais vou esquecer o que estes bandidos fizeram. Hoje eu poderia estar passando o tempo com o meu filho e estou aqui enterrando o meu melhor amigo”, desabafa Felipe Tilico, de 36 anos.

A namorada reforça as palavras do amigo. Segundo ela, em poucos dias de táxi, Souza já tinha clientes assíduos. “Ele era muito tranquilo. No dia em que ele morreu, a gente iria levar a papelada na imobiliária para fechar o aluguel do nosso apartamento”, conta Marina, que estava com o taxista há oito meses. Segundo a mãe do jovem, Nara Margarete da Silva, Souza gostava muito de surfar, de reggae e de estar em meio às pessoas. O tio Luis Carlos da Silva disse que recebeu com surpresa a notícia da morte. “Eu nem sabia que ele estava trabalhando com táxi. Mas se eu soubesse eu daria o conselho de que não era bom. Hoje trabalhar em táxi é arriscar a vida”.

Na segunda-feira o taxista foi morto a tiro, vítima de um suposto desentendimento no trânsito. Ele foi baleado dentro do táxi, na rua Amapá, zona Sul da Capital. O desentendimento teria ocorrido depois de uma leve colisão entre o táxi e uma motocicleta, com dois homens. Sem acerto sobre quem pagaria o prejuízo, cada um seguiu seu caminho. No entanto, os motociclistas resolveram retornar e usar uma arma para acertar o taxista. Dois disparos atingiram a lataria e outro o peito do taxista.

De acordo com levantamento do Sintaxi, em 2013 houve cinco latrocínios e um homicídio envolvendo taxistas neste ano, em Porto Alegre.

Bookmark and Share

Fonte: Correio do Povo







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.