Correio do Povo

Porto Alegre, 21 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
16º 24º


Faça sua Busca


Notícias > Economia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

26/12/2013 18:23 - Atualizado em 26/12/2013 18:35

Aumento do mínimo deve injetar R$ 28,4 bilhões na economia

Alta deve ter impacto de R$ 12,8 bilhões na Previdência Social

O aumento do salário mínimo deverá injetar R$ 28,4 bilhões na economia brasileira em 2014, segundo estimativa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A análise foi divulgada nesta quinta-feira. A partir de 1º de janeiro, o piso nacional passa de R$ 678 para R$ 724 – reajuste de 6,78% . De acordo com o Dieese, 48,2 milhões de pessoas têm o rendimento atrelado ao mínimo.

O novo valor do rendimento mínimo permite, segundo os cálculos do Dieese, a compra de 2,23 cestas básicas. De acordo com a entidade, é a maior relação de poder de compra desde 1979. Também deverá trazer um impacto de R$ 12,8 bilhões nas contas da Previdência Social. Os benefícios pagos no valor de um salário correspondem a 48,7% do montante repassado pela entidade. No total, 69,% dos beneficiários ou 21,4 milhões de pessoas recebem um salário mínimo.

O aumento também deverá ter um impacto significativo nas contas de parte das prefeituras do Nordeste. Segundo o levantamento, 20,6% dos servidores públicos municipais da região recebem atualmente até R$ 678. Na Região Norte, o percentual chega a 15,6%. Deve haver ainda, de acordo com o estudo, um incremento de R$ 13,9 bilhões na arrecadação dos tributos sobre consumo.

Bookmark and Share

Fonte: Agência Brasil







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.