Correio do Povo

Porto Alegre, 19 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
14º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

01/01/2014 14:21 - Atualizado em 01/01/2014 14:38

Estradas não serão "Calcanhar de Aquiles" para reeleição, afirma Tarso

Governador do Estado assegurou que rodovias são problema para todos governos

O governador do Estado Tarso Genro não acredita que as estradas possam ser o “Calcanhar de Aquiles”do PT na busca pela reeleição ao Palácio Piratini em 2014. Em entrevista à Rádio Guaíba nesta quarta-feira, ele assegurou: “as estradas constituem um problema para todos os governos.”

“A estrada que se faz e se arruma tem efeito apenas local. A estrada que não se faz e não se arruma tem reflexo estadual”, argumentou Tarso. “Neste momento no Rio Grande do Sul, em matéria de ligações municipais, já terminamos ou estamos em fase final de o dobro do número de estradas que foram feitas pelo governo Yeda e Rigotto”, afirmou. Ele alegou que as obras emergenciais foram feitas em função de o governo ter recebido as estradas muito deterioradas.

Bandeiras políticas

Avanço na área social, desenvolvimento econômico do Estado e participação cidadã são as principais bandeiras do governador Tarso Genro para buscar a reeleição. “Nós estamos em melhores condições de debater o futuro do Estado”, alegou.

No final de 2013, havia vários projetos, inclusive de caráter emergencial, para serem votados na Assembleia Legislativa e o governo do Estado teve que recuar em alguns pela falta de apoio, já que houve uma redução da base com a saída do PSB e PDT. "Claro que têm projetos complexos e importantes que não foram votados”, explicou Tarso. “É prejudicial, mas não inviabiliza o governo, como seria se não tivesse sido aprovado o orçamento do Estado”, analisou.

Tarso citou as propostas de criação das subsidiárias Banrisul Administradora de Cartões (PL 279) e de uma corretora (PL 276) para atuar no ramo de distribuição de seguros, previdência aberta e capitalização que não foram aprovadas. “É legítimo da democracia, mas ninguém se iluda que ajudou a fortalecer o Banrisul”. Não sei se vamos apresentar agora, mas que vamos apresentar novamente para Assembleia, vamos”, garantiu.

Busca por vice na chapa

O governador do Estado afirmou que nunca teve pretensão de convencer o ex-deputado Sérgio Zambiasi (PTB) a ser vice na chapa de coalizão para eleições de 2014. “Conversamos sobre a presença do PTB na chapa majoritária”, esclareceu.

“Zambiasi está muito afixado na vida pessoal e profissional e não quer voltar à política. Não ouso pedir a ele”, disse. Mas Tarso deixou claro que não é qualquer indicação do PTB que será aceita. “Formação da chapa tem que ter uma negociação entre os partidos,” afirmou.

Copa de 2014


A posssibilidade do retorno das manifestações populares às vésperas da Copa do Mundo e das eleições de 2014 não preocupa o govenrador. Tarso acredita que as obras da Copa no Estado não foram razões para enfrentamentos. "A Copa é profundamente elitista e mercantilizada. Está muito longe da visão que o Brasil está acostumado", definiu. "Mas tem outro aspecto: nosso povo gosta de futebol, quem puder vai ao jogo. Acho que uma coisa vai compensar a outra”, analisou. Tarso crê que Copa nos padrões Fifa é “o início do fim”.

Bookmark and Share


Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.