Correio do Povo

Porto Alegre, 20 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
16ºC
Amanhã
13º 28º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

05/01/2014 08:28 - Atualizado em 05/01/2014 08:34

Ariel Sharon segue em "perigo iminente de morte", dizem médicos

Ex-premiê israelense está internado em hospital de Tel Aviv

O ex-premiê israelense Ariel Sharon, em coma há oito anos, "continua em perigo iminente de morte", afirmou neste domingo o diretor do hospital de Tel Aviv, Zeev Rotstein.  "Seu coração é mais resistente do que pensávamos, mas continua em perigo de morte iminente (...) e estou mais pessimista do que antes", declarou durante uma coletiva de imprensa Zeev Rotstein, diretor do Hospital Tel Hashomer, em Tel Aviv.

"Suas funções vitais, principalmente renais, não voltaram", indicou o professor Rotstein. Questionado sobre a possibilidade de uma possível recuperação de "Arik" (o diminutivo de Ariel, cujo nome significa "leão" em hebraico), ele respondeu: "Não sou profeta, mas não há uma saída possível para a crise". O estado de saúde do ex-primeiro-ministro, em coma desde um acidente vascular cerebral em 4 de janeiro de 2006, tem se deteriorado lentamente desde quarta-feira.

Sharon será lembrado como aquele que preparou e conduziu em 1982 a invasão do Líbano, quando era ministro da Defesa, mas também como o primeiro chefe de um governo de Israel que realizou uma retirada de parte dos territórios palestinos ocupados desde 1967.

Uma comissão oficial de inquérito concluiu a sua responsabilidade por não ter previsto nem impedido o massacre dos campos de refugiados palestinos de Sabra e Shatila em Beirute, em setembro de 1982, perpetrado por uma milícia cristã aliada a Israel. Ele foi forçado a renunciar, o que não o impediu de se tornar primeiro-ministro em 2001, cargo para o qual foi reconduzido em 2003.

Em 2005, ele surpreendeu ao evacuar a Faixa de Gaza e os 8 mil colonos que se estabeleceram com o seu encorajamento nesta região. Esta decisão provocou fortes críticas por parte da direita e do lobby dos colonos. Em 18 de dezembro de 2005, ele foi hospitalizado depois de um "pequeno derrame", que ele se recuperou rapidamente. Mas alguns dias depois, em 4 de janeiro de 2006, um "acidente vascular cerebral sério" o levou a um coma profundo, do qual nunca emergiu.

Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.