Porto Alegre, terça-feira, 25 de Novembro de 2014

  • 08/01/2014
  • 21:39
  • Atualização: 21:49

Rodoviários devem entrar em estado de greve nesta quinta-feira

Presidente do sindicato afirma que categoria pode parar ônibus no fim da semana

  • Comentários
  • Wagner Machado/Rádio Guaíba

Sem avanço nas negociações com o Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa), o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre, Júlio Gamaliel, garantiu que a categoria entrará, a partir desta quinta-feira, em estado de greve e, se nada mudar até sexta-feira, os trabalhadores podem cruzar os braços. “Amanhã mesmo comunicaremos nossa decisão ao Ministério Público, com 72 horas de antecedência, conforme manda a lei e, se necessário, vamos parar a cidade, queremos as melhorias que merecemos”, argumentou.

Gamaliel relatou que o sindicato pediu reajuste de 14% mais R$ 1 no vale alimentação. Segundo ele, porém, a classe patronal não fez outra proposta. Por isso, a categoria irá se reunir nesta sexta-feira, a partir das 8h, para fazer uma assembleia em frente à prefeitura. “Não queremos prejudicar ninguém, mas a Seopa deixa no colo da prefeitura, que joga para o Tribunal de Contas do Estado (TCE), que, por sua vez, empurra para o Ministério Público, que diz que é tudo com o Tribunal de Justiça", argumentou presidente.

"Por fim, estoura no mais fraco, ou seja, nós, 8,5 mil trabalhadores que não teremos reajuste, mas somos responsáveis pelo transporte de vidas”, frisou Gamaliel. Ele fez referência ao entrave ao estudo que o TCE está fazendo sobre o valor da passagem na Capital e também sobre pedido dos empresários para que o Executivo municipal ressarça as empresas em R$ 35 milhões, referentes ao prejuízo que elas tiveram com a liminar que reduziu o preço da tarifa.

Em nota, o Seopa explicou que não ofereceu contraproposta, porque preferiuiu esperar por uma definição da prefeitura de Porto Alegre no que se refere à metodologia de cálculo e à política de reajuste da tarifa dos ônibus da capital. No ano passado, o dissídio foi marcado por paralisações e protestos. Anualmente, após a definição do dissídio dos funcionários, a ATP encaminha o pedido de reajuste da tarifa. Atualmente, a passagem está em R$ 2,80. Em 2013, ela chegou a ser reajustada para R$ 3,05, mas após uma série de protestos, decisão do TCE e desoneração de impostos, o custo da passagem caiu para o preço atual. Em 2012, a tarifa era de R$ 2,85.

Com informações de Lucas Rivas.


Bookmark and Share


TAGS » Greve, Geral, Ônibus