Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Outubro de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
13º 20º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

13/01/2014 14:50 - Atualizado em 13/01/2014 16:01

Prefeitura ampliará fiscalização obras irregulares em Porto Alegre

Trabalho pretende verificar as condições de 140 mil lotes

A Secretaria Municipal de Urbanismo (Smurb) ampliará ainda este mês a fiscalização de obras irregulares em Porto Alegre. O trabalho pretende verificar as condições de 140 mil lotes na Capital.

De acordo com o supervisor de Controle e Prevenção da Smurb, Paulo André Machado, serão vistoriados diversos itens como a construção de muros acima do permitido pela lei municipal ou a construção nos recuos dos jardins. "Ocorrem casos em que os moradores não respeitam o Plano Diretor de Porto Alegre e constroem muros acima do permitido que é 1,20 metro nas laterais e 60 cm no alinhamento”, acrescentou.

Segundo o supervisor da Smurb, os técnicos além de verificarem o projeto, realizam a vistoria do prédio depois de construídos para que a construção possa receber a licença para ser habitado. Conforme Machado, outro problema é que o projeto aprovado e licenciado na secretaria é modificado pelos moradores que realizam alterações, muitas vezes sem contratar um profissional.

Com relação aos prédios velhos e as obras não concluídas, Machado explica que fiscalização verifica a situação e pede aos responsáveis pela obra que coloquem tapumes para proteger a população.

Segundo o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Sul (Crea/RS), o órgão fiscaliza a presença de um profissional durante o andamento das obras. Para Luiz Alcides Capoani, o ideal é que o conselho pudesse ter o poder de realizar o embargo das obras. “Fiscalizamos o exercício profissional durante a construção de um empreendimento”, comentou.

De acordo com Capoani, quando ocorrem acidentes como a queda de muros é porque foram realizadas alterações sem o acompanhamento de um engenheiro. “As pessoas querem fazer a sua obra, mas não querem gastar com segurança”, explicou.


Bookmark and Share

Fonte: Cláudio Isaias / Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.