Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

  • 13/01/2014
  • 18:04
  • Atualização: 18:10

Tarso sustenta que PTB não foi alvo da Polícia Civil

Para governador, ação policial não vai trazer prejuízos eleitorais ao partido

  • Comentários
  • Voltaire Porto / Rádio Guaíba

O governador reiterou que vai manter Luiz Carlos Busato como secretário de Obras e negou que o PTB tenha sido o alvo da Operação Kilowatt, deflagrada pela Polícia Civil na semana passada. Os trabalhistas devem indicar o vice na chapa para a tentativa de reeleição do governador. Tarso não teme possíveis prejuízos eleitorais provocados pela operação. “É preciso entender que o partido, o PTB, não foi investigado e, sim, pessoas vinculadas aos órgãos públicos. Outro fato é que não existe nenhuma suspeita para justificar a saída de Busato”, ponderou Tarso. O governador ainda elogiou a postura do secretário em afastar os investigados até o fim do trabalho policial.

Tarso pretende nomear um diretor técnico para a secretaria de Obras e alertou que um perfil político partidário não está entre os critérios de escolha. Uma das tarefas do futuro gestor é promover um pente fino nas obras em andamento. O governador não revelou se vai acatar a indicação de adjunto para a pasta de Obras sugerida por Busato. A ideia do secretário é convidar para o cargo o auditor do TCE João Carlos Almeida Santos, que já foi apresentado ao chefe da Casa Civil. “Não apurei ainda a indicação. Temos que avaliar este nome, tratando-se de um auditor do TCE já significar ser uma sugestão válida”, afirmou o governador.

O secretário adjunto de Busato era Germano Dalla Valentina, do PTB. Ele foi desligado do cargo na sexta-feira, um dia depois que a operação foi deflagrada. Hoje, o sétimo afastado (entre quatro dirigentes e três servidores) foi Cláudio Sommacal, diretor administrativo da Secretaria da Educação.

Bookmark and Share