Porto Alegre, terça-feira, 21 de Outubro de 2014

  • 14/01/2014
  • 16:38
  • Atualização: 16:46

Inadimplência no comércio recua em dezembro

Apesar da queda mensal, índice em 2013 terminou com alta de 2,33%

  • Comentários
  • Agência Brasil

A inadimplência no comércio varejista caiu 4,44% em dezembro na comparação com o mesmo mês de 2012, informou nesta terça-feira uma pesquisa divulgada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Foi a quarta queda mensal seguida e a maior retração desde o início da nova série histórica, em janeiro de 2012.

Apesar do resultado mensal, a inadimplência encerrou o ano passado em alta de 2,33%, com forte desaceleração em relação a 2012, quando tinha aumentado 12,18%. De acordo com a CNDL, as restrições ao crédito foram provocadas pelo aumento dos juros básicos da economia. Além disso, a exigência de mais garantias dos tomadores de financiamentos pelos bancos e pelos lojistas contribuiu para a redução do risco de atrasos nos pagamentos.

“A inadimplência veio em forte ascensão até o final do primeiro trimestre do ano passado, mas a tendência se inverteu a partir de abril, quando o Banco Central passou a aumentar sucessivamente a taxa básica de juros da economia, a Selic, o que encareceu a tomada de crédito no país, impactando o varejo como um todo. Desde então, o volume de atrasos nos pagamentos das compras a prazo passou a intercalar desacelerações com quedas”, informou a CNDL em nota.

Os juros mais altos e o menor crescimento da economia refletiram-se na desaceleração das vendas no ano passado. De acordo com o levantamento, o volume de consultas ao banco de dados do SPC Brasil teve aumento médio de 4,12% em 2013, contra 7,76% em 2012.

De acordo com a CNDL, o Natal foi insuficiente para reverter a desaceleração das vendas observadas durante o ano. Em dezembro, as vendas subiram 28,65% em relação a novembro, abaixo do crescimento de 32,28% observado na mesma comparação em 2012. O desempenho no fim do ano, destacou a entidade, levou muitos lojistas a antecipar as liquidações em janeiro.

Apesar dos juros mais altos e das restrições ao crédito, a CNDL continua a projetar crescimento das vendas para 2014. No entanto, a expansão será menor que a do ano passado (4,12%). Segundo a entidade, as vendas deverão subir 4% este ano, já descontada a inflação. “O modelo de incentivos ao consumo está perdendo efeito no país e por isso, as vendas a prazo em 2014 devem crescer um pouco menos que em 2013”, destacou a CNDL em comunicado.

Bookmark and Share