Correio do Povo

Porto Alegre, 22 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
19ºC
Amanhã
14º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

19/01/2014 13:20 - Atualizado em 19/01/2014 13:21

Presidente da Síria diz que renúncia "não está em discussão"

Levante popular contra Bashar al-Assad começou em março de 2011 e já deixou mais de 130 mil mortos

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, disse neste domingo que não pretende renunciar, afirmando que somente o povo sírio tem o direito de determinar o futuro do país. "Se nós quiséssemos nos render, teríamos feito isso antes", comentou ele durante uma reunião com parlamentares da Rússia, em Damasco. "Este assunto não está em discussão", acrescentou ao ser questionado sobre a pressão de países do Ocidente para que ele deixe o poder.

O levante popular na Síria, que começou em março de 2011, já deixou mais de 130 mil mortos e milhões de desalojados e desabrigados, segundo informações da Organização das Nações Unidas (ONU).

Neste sábado, um dos principais grupos de oposição a Assad, a Coalizão Nacional Síria, concordou em participar de negociações de paz que devem ocorrer na próxima quarta-feira na cidade de Montreux, na Suíça. Segundo o líder da organização, Ahmad al-Jarba, os rebeldes não vão fazer "nenhuma barganha com relação aos princípios da revolução" e não serão "enganados" pelo regime Assad. "A mesa de negociações para nós é um caminho para atingir as demandas da revolução, sendo a principal delas a remoção desse 'carniceiro' do poder", afirmou.

O grupo Frente Revolucionária Síria também apoia uma solução política para o conflito, desde que Assad deixe o poder, segundo afirmou o porta-voz Issam el-Rayyes. Entretanto, outras organizações rebeldes mais radicais, algumas delas ligadas à rede terrorista Al Qaeda, se recusam a negociar.

Em um aparente gesto de boa fé, as tropas de Assad permitiram neste sábado que carregamentos com água e comida chegassem ao campo de refugiados de Yarmouk, segundo informou o porta-voz da agência da ONU para refugiados palestinos, Chris Gunness. A área, que é controlada pelos rebeldes, é uma das que mais sofre com a escassez de alimentos. Segundo fontes locais, pelo menos 46 pessoas morreram de fome no acampamento desde outubro do ano passado.

Bookmark and Share




Fonte: AE






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.