Correio do Povo

Porto Alegre, 30 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
17º 26º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

21/01/2014 15:42 - Atualizado em 21/01/2014 15:57

Acusado de pedofilia, prefeito de Coari diz que denúncias são falsas

Político informou que acionará a Justiça para responsabilizar quem está o caluniando

O prefeito de Coari (Amazonas), Adail Pinheiro (PRP), disse que são mentirosas as denúncias de que comanda uma rede de prostituição infantil e de que abusou sexualmente de meninas da cidade. Em nota divulgada nesta terça-feira, o político informou que acionará a Justiça para responsabilizar os que, segundo ele, estão o caluniando e o difamando.

As denúncias contra Pinheiro voltaram à tona depois de uma reportagem que mostrou que o prefeito responde a 70 processos na Justiça do Amazonas. 

Segundo Pinheiro, mulheres que se apresentam como vítimas e o denunciam são familiares de um político que lhe faz oposição em Coari e que isso é amplamente sabido pela população da cidade. O prefeito garante jamais ter mantido qualquer tipo de relacionamento com as mulheres e sugere que as denúncias sejam uma maneira de prejudicá-lo às vésperas de ser julgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O prefeito ressalta que a reportagem aborda um tema já discutido e investigado, inclusive pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, da Câmara dos Deputados, à qual ele prestou depoimento em agosto de 2013. Segundo o prefeito, as investigações sobre o assunto não resultaram em "nenhum fato comprobatório de qualquer acusação".

De acordo com a deputada federal Erika Kokay (PT-DF), Adail foi ouvido sobre uma suposta rede de exploração sexual de crianças e adolescentes que seria chefiada por ele, mas já vinha sendo investigado Polícia Federal desde 2006, devido a indícios de desvio de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) repassados a Coari. As denúncias de pedofilia começaram a aparecer no decurso dessas investigações, em escutas telefônicas judicialmente autorizadas, realizadas pela PF. As investigações culminaram na chamada Operação Vorax, cujo relatório foi divulgado em 2008. Desse relatório resultou a prisão de Adail, em 2009.

Desde 2010, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) puniu quatro juízes e investigou mais três – que terminaram inocentados – por relações irregulares com o prefeito de Coari. Dois dos magistrados foram aposentados compulsoriamente por atuar em benefício da prefeitura de Coari, que disputava com a capital amazonense, o repasse da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a exploração de petróleo e gás natural em Coari. A atividade petrolífera fez do município o segundo mais rico do Amazonas.

O CNJ informou que, com o reinício das investigações sobre possíveis irregularidades ou desvios de conduta de servidores do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), a demora no julgamento dos processos contra Pinheiro (PRP) está entre as denúncias que serão apuradas. Será avaliado, com especial atenção, se houve ou há negligência na condução dos processos em que Pinheiro é acusado de chefiar uma rede de prostituição infantil.

Pinheiro destaca que assim como já prestou esclarecimentos à CPI da Câmara dos Deputados, sempre esteve à disposição da Justiça para colaborar com todos os procedimentos judiciais, a fim de que a situação seja definitivamente esclarecida.


Bookmark and Share

Fonte: Agência Brasil






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.