Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
16º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

24/01/2014 11:10 - Atualizado em 24/01/2014 11:18

Porto Alegre contabiliza estragos de vandalismo em protesto

Manifestação reuniu mais de mil pessoas no Centro de Porto Alegre

Equipamentos do parquímetro foram incendiados durante protesto<br /><b>Crédito: </b> Fabiano do Amaral
Equipamentos do parquímetro foram incendiados durante protesto
Crédito: Fabiano do Amaral
Equipamentos do parquímetro foram incendiados durante protesto
Crédito: Fabiano do Amaral

A primeira manifestação organizada pelo Bloco de Lutas pelo Transporte Público neste ano em Porto Alegre terminou com atos de vandalismo de alguns dos participantes. A Capital ainda contabiliza os estragos gerados pelos vândalos, que iniciaram as ações criminosas após mais de uma hora e meia de caminhada pacífica.

Durante a manifestação, quatro contêineres foram depredados – um deles incendiado. O Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) informou que a empresa responsável deve fazer a substituição ainda nesta sexta. Nesta manhã, o contêiner queimado ainda estava na esquina da avenida Borges de Medeiros com a rua Fernando Machado.

A Trensurb também foi alvo dos vândalos, que quebraram ainda equipamentos do parquímetro. Três vidraças da agencia central da CEEE, na avenida Borges de Medeiros, foram quebrada - a empresa está providenciando a substituição. Em 2013, foram quebrados seis vidros da mesma agência, quando a empresa optou por um tapume para evitar novos danos aos vidros. Os vândalos ainda fizeram algumas pichações ao longo da cidade e quebraram outras vidraças com uso de pedras.

Um dos maiores danos ocorreu em uma banca de revistas localizada na avenida Borges de Medeiros com a rua Fernando Machado. Parte da barra lateral sofreu danos e uma propaganda na parte de trás foi totalmente quebrada e queimada.

Dono da banca há mais de 30 anos, Clóvis Fernandes estava bastante abalado com o ataque, que comprometeu o funcionamento nesta sexta. Ele lamentou a sensação de insegurança e reclamou da falta da ação da Brigada Militar para impedir os atos de vandalismo.

Com informações da repórter Mauren Xavier

Bookmark and Share

Fonte: Correio do Povo





» Tags:Protesto Geral

O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.