Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
14º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Economia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

24/01/2014 13:13 - Atualizado em 24/01/2014 13:18

Em Davos, Dilma diz que inflação permanece sob controle

Segundo a presidenta, a estabilidade da moeda é uma prioridade

Presidenta discursou hoje, em Davos<br /><b>Crédito: </b> ERIC PIERMONT / AFP /CP
Presidenta discursou hoje, em Davos
Crédito: ERIC PIERMONT / AFP /CP
Presidenta discursou hoje, em Davos
Crédito: ERIC PIERMONT / AFP /CP

A presidenta da República, Dilma Rousseff, afirmou nesta sexta, em seu discurso no Fórum Econômico Mundial, em Davos, que o Brasil segue o regime de metas e que a inflação permanece sob controle no País. Segundo ela, o descontrole de preços no passado mostrou aos brasileiros o poder destrutivo da inflação para empresas e para a população. "Reitero que buscamos com determinação a convergência para o centro da meta inflacionária", disse.

"A estabilidade da moeda é um valor central do nosso País. Não transigimos com a inflação", afirmou. Segundo a presidente, o Brasil, que ainda sofre com algumas condições de desigualdade social, está sendo construído sem abdicar dos fundamentos macroeconômicos. "O controle da inflação e o equilíbrio das contas públicas são essenciais para assegurar a estabilidade", disse.

Superávit

Dilma afirmou também que tem como uma meta importante melhorar superávit primário de Estados e municípios. "Olhando o futuro, queremos aprimorar controle das contas dos entes federados", afirmou.

Segundo a presidente, outra meta do País "é o reposicionamento dos bancos na expansão do crédito". "Nós construímos um sistema financeiro sólido, que contribuiu para a expansão sustentável do crédito ao longo dos anos", afirmou. Dilma disse ainda que o sistema é eficiente e funciona com harmonia entre as instituições privadas e públicas.

Durante o período de crise financeira global, disse Dilma, as instituições financeiras desempenharam um importante papel. "Com a normalização, a orientação estratégica é que as instituições públicas retornem suas vocações naturais", afirmou.

Segundo a presidente, a crise global ganha novos contornos, nesse momento de retirada de estímulos pelos países desenvolvidos, mas "ainda persistem desafios que geram volatilidade nos mercado financeiros".

Citando as reservas internacionais brasileiras, de US$ 376 bilhões, Dilma afirmou o país tem "um colhão seguro de absorção dessa volatilidade". "O Brasil tem na flutuação cambial sua primeira linha de defesa", discursou.

Dilma lembrou ainda do programa do swap do Banco Central e disse que ele tem sido capaz "de dar previsibilidade e estabilidade ao mercado de câmbio". Além disso, a presidente disse ainda que o fluxo estrangeiro "se mantém direcionado ao Brasil".

Meta fiscal


A presidente afirmou que em breve o governo definirá a meta fiscal para 2014, sem, no entanto, especificar uma data para o anúncio. Ela disse que as despesas correntes do governo central estão sob controle no Brasil e que houve uma "melhora qualitativa" das contas públicas nos últimos anos, com a redução da dívida líquida e da dívida bruta. "A meta de superávit do governo será condizente com essa diminuição do endividamento", afirmou a presidente, citando que a dívida bruta federal passou de 60,9% para 58,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013. "Creio que temos um dos menores endividamentos públicos do mundo", comparou.

Educação

Em seu discurso, Dilma defendeu também o repasse dos royalties do petróleo à educação. Segundo ela, a decisão "histórica" de destinar 75% dos royalties do "pré-sal e do pós-sal" contribuirá para o desenvolvimento do ensino brasileiro. "Vamos transformar a riqueza finita (o petróleo), em riqueza perene (a educação)", revelou.

A presidente disse que a medida beneficia todos os brasileiros e, ao garantir maior investimento em educação e formação de mão de obra, provocará ganhos de produtividade, contribuindo para o crescimento econômico.

Ela também citou o programa Ciências Sem Fronteiras, que oferece intercâmbio para estudantes brasileiros no exterior. "Nosso objetivo é criar uma geração de técnicos, pesquisadores e cientistas", destacou.


Bookmark and Share


Fonte: AE






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.