Correio do Povo

Porto Alegre, 16 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
19º 29º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

26/01/2014 11:39 - Atualizado em 26/01/2014 11:40

Líder oposicionista morre baleado em eleições tumultuadas na Tailândia

Manifestantes antigoverno se reúniram em frente a centro eleitoral em Bancoc neste domingo

Um dos líderes das manifestações antigovernamentais na Tailândia, Suthin Tharathin, morreu baleado neste domingo em Bangcoc, anunciou a oposição. O assassinato de Tharathin aconteceu em um dia de votação antecipada para as eleições legislativas do próximo domingo.

Suthin Tharathin, um dos líderes do Dhamma Army, um dos grupos mais radicais do movimento antigovernamental tailandês organizado em torno de Suthep Thaugsuban, morreu baleado na cabeça. "Ele foi baleado quando fazia um discurso em cima de uma caminhonete", informou Akanat Promphan, porta-voz dos manifestantes.

Uma pessoa morreu e nove ficaram feridas em um ataque contra os manifestantes, confirmou, por sua vez, o centro de pronto socorro Erawan. Suthin Tharathin é a décima vítima fatal na Tailândia desde que começaram as manifestações contra o governo no final de 2013.

Os manifestantes tiveram êxito em sua intenção de perturbar a votação antecipada pelo governo e, em Bancoc, 19 das 50 seções eleitorais foram fechadas pela comissão eleitoral ante a ação dos integrantes opositores. "Os responsáveis pelas seções eleitorais não puderam entrar por causa dos manifestantes", explicou Puchong Nutrawong, secretário-geral da comissão eleitoral.

"Estou aqui para impedir que as pessoas votem", explicou, por sua vez, Amornchock, manifestante de 64 anos, que bloqueava o acesso a uma seção eleitoral na capital. Cerca de 2.500 manifestantes impediu o acesso a 15 seções na capital, segundo a polícia.

"Não me oponho à democracia, não sou contra as eleições, mas elas devem ser justas", acrescentou o manifestante. A oposição defende a ideia de adiar as eleições para realizar reformas, através de um "conselho do povo" durante a transição.

O manifestantes, que formam uma oposição heterogênea, ligada às elites de Bancoc, aos ultramonarquistas e aos habitantes do sul, exigem há mais de dois meses a renúncia da primeira-ministra Yingluck Shinawatra e o fim do sistema político que chamam de "sistema Thaksin", em referência ao irmão de Yingluck.

Thaksin é associado a uma onda de corrupção generalizada e acusado de manipular a irmã de seu exílio, em Dubai. O ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra está exilado desde 2006, quando foi derrubado por um golpe militar. Mas continua sendo o personagem central da política tailandesa, o que provocou sucessivas crises políticas entre seus partidários e críticos. Na segunda-feira passada, dezenas de milhares de manifestantes lançaram uma operação de bloqueio da capital para intensificar a pressão sobre o governo.

Em uma tentativa de sair da crise, Yingluck Shinawatra convocou eleições antecipadas para o dia 2 de fevereiro. Agora ela deve se renir com a comissão eleitoral na próxima terça-feira e poderá se ver obrigada a anunciar um adiamento das eleições.

^ Bookmark and Share


Fonte: AFP







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.