Correio do Povo

Porto Alegre, 20 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
15º 24º


Faça sua Busca


Notícias > Geral > Tragédia Santa Maria

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

26/01/2014 16:18 - Atualizado em 26/01/2014 17:00


Familiares de vítimas da tragédia argentina prestam solidariedade em Santa Maria

Em 2004, em Buenos Aires, um incêndio semelhante ao da Boate Kiss causou a morte de 194 pessoas

Argentina Virginia Tello consola mãe de Santa Maria
Crédito: Tarsila Pereira

O segundo dia do congresso Novos Caminhos - A Vida em Transformação, realizado pela Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (Avtsm), contou com a participação de representantes da Argentina. Dirigentes da associação Familias por la Vida - Cromagnon Nunca Más contaram a experiência da tragédia ocorrida em Buenos Aires, na boate Republica Cromagnon, no dia 30 de dezembro de 2004. Na ocasião, um incêndio semelhante ao da boate Kiss causou a morte de 194 pessoas.

A filha de Lila Tello, Natali, foi uma das sobreviventes da tragédia argentina, mas o namorado dela não resistiu. Quase dez anos depois, Lila atua na associação Cromagnon Nunca Más como secretária. Segundo ela, o incêndio ocorrido no ano passado, em Santa Maria, provocou em Buenos Aires um sentimento de reviver o passado. "Voltamos a ver na televisão a mesma tragédia, a mesma morte de jovens, a mesma dor. Foi como reviver Cromagnon. Não podíamos acreditar e pensamos: temos que trabalhar juntos para que realmente isso não volte a ocorrer", afirmou.

Na capital argentina, segundo Lila, hoje há um controle maior nas casas noturnas. Leis de prevenção contra incêndio também foram modificadas. Ela destaca, porém, que a busca por justiça também é importante. "Por mais que se mudem as leis, se depois a Justiça não prende os responsáveis, as pessoas pensam que é como se nada tivesse sido feito", observa. Lila, que participou de um painel sobre troca de experiências entre familiares, disse que a luta pela obtenção de justiça e para que a tragédia não volte a ocorrer é árdua, mas necessária. "Encontramos muitas portas que se fecham, mas uma infinidade de portas que se abrem."

As atividades do congresso seguem durante a tarde deste domingo. Fora da programação oficial, familiares pretendem realizar uma vigília em frente à boate Kiss, nesta noite, na rua dos Andradas. Equipes do atendimento psicossocial da prefeitura e voluntários da Cruz Vermelha estarão no local para prestar atendimento às famílias.

Bookmark and Share


Fonte: Danton Júnior / Correio do Povo







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.