Correio do Povo

Porto Alegre, 20 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
18º 27º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

28/01/2014 19:45 - Atualizado em 28/01/2014 19:56

Concluída primeira etapa de inspeção do Conduto Álvaro Chaves

Relatórios serão determinantes para revelar se persiste o risco de afundamento do asfalto na região

Relatórios serão determinantes para revelar se persiste o risco de afundamento do asfalto na região<br /><b>Crédito: </b> Paulo Nunes / CP Memória
Relatórios serão determinantes para revelar se persiste o risco de afundamento do asfalto na região
Crédito: Paulo Nunes / CP Memória
Relatórios serão determinantes para revelar se persiste o risco de afundamento do asfalto na região
Crédito: Paulo Nunes / CP Memória

Depois de uma semana de vistoria, está finalizada a primeira etapa de inspeção nos quatro quilômetros de galerias do Conduto Álvaro Chaves, na Capital. Agora, o Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) espera dois relatórios da empresa terceirizada Recuperação Serviços Especiais de Engenharia, que irá elaborar, até a segunda quinzena de fevereiro, um documento resumido sobre as condições estruturais da construção e um outro mais elaborado, com um estudo hidrodinâmico do conduto.

O diretor adjunto da autarquia, Francisco Mellos, explica que, após a restauração da primeira cratera aberta na rua Coronel Bordini, outros problemas ocorreram na estrutura do conduto. Por isso, os relatórios da inspeção serão determinantes para revelar se o risco de novas crateras se abrirem ainda existe. “Funcionando está, a questão é o por que daquele afundamento”, ressaltou.

Inspeção do primeiro trecho do Conduto Álvaro Chaves deve levar sete dias
Inspeção do Conduto Álvaro Chaves será no dia 21
DEP assina ordem de início da inspeção do Conduto Álvaro Chaves
Cratera fará Conduto Álvaro Chaves passar por vistoria

Em fevereiro do ano passado, uma cratera se abriu no local após um temporal. O consórcio PMR assumiu os custos do reparo, já que a obra está dentro da garantia até o início de março de 2014. No final do ano passado, falhas na rede de microdrenagem favoreceram a abertura de outras crateras no asfato na região do bairro Moinhos de Vento.

O Conduto custou R$ 60 milhões e a vistoria foi orçada em R$ 147 mil.

Bookmark and Share


Fonte: Samantha Klein/Rádio Guaíba





» Tags:Obras Geral


O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.