Porto Alegre, domingo, 28 de Dezembro de 2014

  • 30/01/2014
  • 12:20
  • Atualização: 17:13

Operação da Receita Federal investiga servidor da Prefeitura da Capital

MP e Receita Federal cumprem nove mandados de busca e apreensão em Porto Alegre e Torres

Casa branca deu origem ao nome da operação | Foto: Receita Federal/Divulgação/CP

Casa branca deu origem ao nome da operação | Foto: Receita Federal/Divulgação/CP

  • Comentários
  • Agência Brasil e Rádio Guaíba

A Receita Federal deflagrou nesta quinta-feira a operação Casa Branca no Rio Grande do Sul para investigar sinais exteriores de riqueza e patrimônio não declarado de servidores públicos da Prefeitura de Porto Alegre e em outras cidades do Estado.

De acordo com o superintendente da RF no Rio Grande do Sul, Ademir Gomes de Oliveira, sinais de riqueza incompatíveis com a renda do servidor público municipal motivaram a investigação. Uma das linhas de investigação busca verificar a existência de irregularidades na prefeitura de Porto Alegre cometidas por um servidor do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP) e por um empresário do ramo da construção civil. Ambos são suspeitos de corrupção, sonegação e lavagem de dinheiro. A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do DEP e aguarda a manifestação do departamento.

O nome da operação - Casa Branca - se deve ao fato de uma casa de cor branca ter sido adquirida com o dinheiro supostamente ilegal.

A Coordenação de Pesquisa e Investigação (Copei), em conjunto com a Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre, representada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), cumpre nove mandados de busca e apreensão nos municípios de Porto Alegre e Torres, no litoral gaúcho.

A Receita informou que a operação é o resultado de trabalho desenvolvido de forma coordenada, envolvendo a Copei e Gaeco. As investigações identificaram indícios de crimes de corrupção e de lavagem de dinheiro, além de sonegação fiscal, nos casos examinados.

Foi identificado também, destacou a Receita, o envolvimento de um empresário do ramo da construção civil no esquema fraudulento investigado. Também estão sendo feitas buscas em três empresas que prestavam serviços para a Prefeitura de Porto Alegre ou foram usadas para lavar o dinheiro obtido com o crime.

Bookmark and Share