Correio do Povo

Porto Alegre, 20 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
13º 29º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

30/01/2014 22:12 - Atualizado em 30/01/2014 23:08

Assessora de Obama apresentou ao Brasil explicações sobre espionagem

Ministro brasileiro das Relações Exteriores se reuniu com a conselheira de Segurança Nacional da Casa Branca

A conselheira de Segurança Nacional da Casa Branca, Susan Rice, apresentou nesta quinta-feira ao ministro brasileiro das Relações Exteriores, Luiz Fernando Figueiredo, explicações sobre a revisão dos procedimentos de espionagem feitos pela Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês). "Essas explicações serão analisadas pelo governo brasileiro e aí vamos ver. A presidente Dilma vai decidir os próximos passos", afirmou o ministro.

Sobre a conversa com Rice, Figueiredo disse: “No dia antes do discurso do presidente Obama sobre a revisão nos procedimentos de inteligênciaRice me ligou e me convidou para vir aqui para conversar sobre o anúncio feito e esclarecimentos que eu pudesse pedir a ela sobre o que vai ser feito".

O chanceler brasileiro não quis revelar o conteúdo da reunião com a conselheira, limitando-se a comentar que "o lado americano sabe perfeitamente o que nos queremos deles e, por isso, estamos num processo de esclarecimento para encaminhar essa questão".

Figueiredo também evitou confirmar que o governo brasileiro tenha exigido um pedido formal de desculpas por parte dos EUA pela interceptação das comunicações pessoais da presidente Rousseff, feitas pela NSA. “As relações de Brasil e Estados Unidos são densas, importantes, somos dois parceiros, mas que temos questões a resolver", declarou o ministro.

A Casa Branca se limitou a informar que, na reunião, Rice apresentou os resultados da revisão das atividades americanas de inteligência e as reformas que serão implementadas como anunciado pelo presidente Obama em seu discurso de 17 de janeiro.

A denúncia sobre a interceptação telefônica da presidente Dilma por parte da NSA foi o pior episódio nas relações bilaterais entre EUA e Brasil em várias décadas, a ponto de promover a suspensão de uma visita de Estado que Dilma faria a Washington em outubro passado.

Em meio ao escândalo por espionagem, Obama ordenou uma revisão completa das operações de inteligência, em especial contra cidadãos estrangeiros e chefes de Estado, ou de Governo, e uma reforma dos procedimentos.  Embora o pacote de reformas deixe os líderes estrangeiros explicitamente fora do alcance da Inteligência, um pedido formal de desculpas não é cogitado. “Não vamos pedir desculpas pelo fato de que nossos serviços [de inteligência] são mais eficientes", afirmou.

Na semana passada, uma alta fonte do Departamento de Estado havia dito à imprensa que, entre as prioridades da diplomacia dos Estados Unidos este ano, destaca-se retomar as relações com o Brasil.

O escândalo foi deflagrado pelas revelações do ex-analista de inteligência americana Edward Snowden, que hoje se encontra refugiado na Rússia. "Em momento nenhum de minha conversa com Rice se falou do Snowden", garantiu Figueiredo.

Bookmark and Share

Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.