Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

  • 31/01/2014
  • 18:38
  • Atualização: 18:48

Sem aumentar proposta, sindicato das empresas pede bom senso aos rodoviários

Seopa e ATP pedem que a circulação dos ônibus volte ao normal neste final de semana

  • Comentários
  • Correio do Povo

O Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa) e a Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) pediram que os rodoviários retomem 100% de suas atividades imediatamente para que possam reabrir as negociações a partir da próxima segunda-feira, 3 de fevereiro. Em nota, pediram bom senso aos rodoviários:

"Apelamos ao bom senso dos trabalhadores rodoviários e sua comissão de greve para que aproveitem esse final de semana tão especial com as festividades da Festa de Nossa Senhora dos Navegantes e cumpram o que foi acordado já a partir deste sábado, 1º de fevereiro. Confiamos no respeito dos trabalhadores ao momento dramático que os cidadãos porto-alegrenses estão vivendo fruto do não cumprimento, por parte dos rodoviários, do acordo sacramentado no TRT. De parte das empresas, nos compromissamos nos próximos 12 dias a não poupar esforços para avançarmos nas negociações".

O gerente executivo da Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP), Luiz Mário Magalhães Sá, disse que a representação vai definir ações "drásticas" se o acordo firmado na tarde da última quinta-feira no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) não for mantido. “Nos reservamos o direito de tomar todas as medidas... por mais amargas que sejam”, disse, quando questionado sobre a possibilidade de demissões, corte de ponto e contratações emergenciais. Os rodoviários da Capital estão em greve desde segunda-feira.

Rodoviários descartam voltar ao trabalho antes de assembleia
Rodoviários se reúnem com presidente da Câmara Municipal
Fortunati avalia pedir ajuda à Força Nacional para resolver impasse dos ônibus
Ônibus não saem por opção das empresas, diz comandante da BM

O dirigente do sindicato patronal garantiu que a representação quer continuar a negociação, mas não falou em novo percentual, diferente dos 5,57% correspondentes à reposição da inflação, a ser apresentado. Os empregados pedem 14%. Disse ainda que os advogados da ATP pediram que o judiciário volte a declarar ilegal a greve para que a associação possa “tomar as medidas necessárias”.

Com informações do repórter  Samuel Vettori/Rádio Guaíba

Bookmark and Share