Porto Alegre, quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

  • 31/01/2014
  • 20:37

Vans escolares estão prontas para serem utilizadas para amenizar impacto da greve

Prefeito José Fortunati disse hoje que pode solicitar apoio da categoria

  • Comentários
  • Samuel Vettori/Rádio Guaíba

Sindicato dos Proprietários de Veículos Escolares garante que se convocado pela Prefeitura coloca nas ruas todos os 620 carros que atuam em Porto Alegre. Os veículos têm capacidade para carregar 18 mil pessoas sentadas, totalizando 20 mil com os passageiros em pé. O diretor jurídico da representação, Jaires da Silva Maciel, garantiu que pode fazer circular imediatamente 50% da frota. Os rodoviários da Capital estão em greve desde segunda-feira.

O diretor disse que no início da semana propôs à administração municipal a colocação dos coletivos nas ruas para levar e trazer usuários do transporte coletivo, mas a direção da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) descartou naquele momento a utilização. Nesta tarde uma assembleia dos rodoviários vai definir se continua ou encerra a paralisação.

Maciel admitiu que há receito de depredação no caso de os carros serem colocados nas ruas. Argumentou, no entanto, que “a situação é de calamidade”. Ele acrescentou que a frota é legalizada e segura e que os trabalhadores do setor estão em condições de fazer o serviço dos ônibus porque o período é de recesso nas escolas.

O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, afirmou que caso os coletivos do transporte escolar sejam utilizados, o custo para andar nos veículos vai ser o mesmo que se paga para circular nos táxis-lotação, que é de R$ 4,20. “Não é uma questão de se falar em valor agora... mas a tarifa na faixa do que cobra o lotação está adequada”, disse Maciel.