Correio do Povo

Porto Alegre, 16 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
19º 29º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

03/02/2014 00:10 - Atualizado em 03/02/2014 00:16

Oposição da Ucrânia pede mediação e ajuda financeira ao Ocidente

Questão foi abordada em reunião dos chefes da diplomacia americana, francesa e alemã

Ruas da capital ucraniana estão repletas de barricadas e fogueiras<br /><b>Crédito: </b> Sergei Supinsky / AFP / CP
Ruas da capital ucraniana estão repletas de barricadas e fogueiras
Crédito: Sergei Supinsky / AFP / CP
Ruas da capital ucraniana estão repletas de barricadas e fogueiras
Crédito: Sergei Supinsky / AFP / CP

A oposição ucraniana pediu a mediação internacional e uma ajuda financeira do Ocidente. Os líderes anunciaram o pedido diante de mais de 60 mil manifestantes reunidos no centro de Kiev. A questão havia sido abordada em Munique em uma reunião dos chefes da diplomacia americana, francesa e alemã.

A mediação deve contribuir com as negociações entre a oposição e o presidente Viktor Yanukovytch "para evitar interpretações divergentes", declarou o ex-boxeador Vitali Klitschko. A oposição também solicitou ajuda financeira aos países ocidentais, que estariam "dispostos a oferecê-la", indicou o líder opositor Arseni Yatseniuk. "Dissemos a nossos sócios ocidentais que precisamos de ajuda financeira", ressaltou Yatseniuk. "Nós somos o povo da Ucrânia", acrescentou.

É a primeira vez que a oposição da Ucrânia pede ajuda. O país, em péssima situação financeira, abriu mão da ajuda europeia ao desistir, no final de novembro, de um acordo de associação com a União Europeia (UE), desencadeando uma onda de protestos sem precedentes. Em troca, Yanukovytch recebeu de Moscou 15 bilhões de dólares em créditos, assim como uma redução considerável no preço do gás russo.

Ao mesmo tempo, o presidente Yanukovytch anunciou que vai retornar segunda-feira ao trabalho após um afastamento devido a uma "infecção respiratória aguda". Nas ruas repletas de barricadas e fogueiras da capital ucraniana, um dos primeiros oradores da manifestação deste domingo, o ex-ministro do Interior do governo de Yulia Timoshenko, Yuri Lutsenko, denunciou a "nova tentativa de colonização" por parte da Rússia e de seu presidente Vladimir Putin.

Lutsenko também pediu a criação de "unidades de autodefesa" na Ucrânia. "Seria a melhor garantia contra um banho de sangue" afirmou, em meio a um contexto de rumores sobre um estado de emergência e de intervenção militar no país.

Já Vitali Klitschko exigiu a libertação incondicional dos manifestantes detidos durante os enfrentamentos que marcaram a crise política que paralisa a Ucrânia há mais de dois meses. A oposição exige que Yanukovytch abandone o poder, a realização de eleições presidenciais em 2014, e não em 2015, como está previsto, e um retorno à Constituição de 2004, que restringia o poder do presidente.


Bookmark and Share

Fonte: AFP







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.