Correio do Povo

Porto Alegre, 20 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
11º 20º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

04/02/2014 09:31 - Atualizado em 04/02/2014 09:59

"Não pensei que ia morrer", diz náufrago salvadurenho

Pescador José Salvador Alvarenga sobreviveu mais de 13 meses à deriva

Pescador José Salvador Alvarenga sobreviveu mais de 13 meses à deriva no Oceano Pacífico<br /><b>Crédito: </b> GIFF JOHNSON / AFP / CP
Pescador José Salvador Alvarenga sobreviveu mais de 13 meses à deriva no Oceano Pacífico
Crédito: GIFF JOHNSON / AFP / CP
Pescador José Salvador Alvarenga sobreviveu mais de 13 meses à deriva no Oceano Pacífico
Crédito: GIFF JOHNSON / AFP / CP

O náufrago salvadorenho que diz ter sobrevivido mais de 13 meses à deriva no Oceano Pacífico depois de ter zarpado do México declarou nesta terça-feira em uma entrevista que pensou em suicídio, mas que lembrar da sua família o manteve vivo. Além disso, o pescador José Salvador Alvarenga declarou que sua profunda fé religiosa o ajudou durante seu percurso de 12,5 mil quilômetros entre o México e um atol (Ebon) ao sul das Ilhas Marshall, e descreveu como se viu obrigado a lançar ao mar o cadáver do companheiro adolescente com quem havia saído para
pescar, que morreu de inanição.

Segundo ele, os dois saíram de Puerto Paredón, no México, no dia 21 de dezembro de 2012, a bordo da lancha "Camaronera de la costa", com destino a El Salvador para passar o Natal, mas foram surpreendidos por um vento norte muito forte. "Não queria morrer de fome, nem de sede, tinha medo", declarou Alvarenga mediante um intérprete de espanhol no hospital de Majuro, capital do arquipélago, onde se recupera depois de ter sido encontrado na quinta-feira por dois moradores locais, quando estava completamente desorientado em sua
chegada ao remoto atol. "Ocorreram dois momentos em que pensei em me matar, quando não havia comida nem água pegava a faca, mas tinha medo de fazer isso", acrescentou, levantando um braço para, apontando ao céu, dizer que sobreviveu graças "a Deus, a minha fé em Deus (...) Não pensava que ia morrer, mas que ia sair!".

Alvarenga também mencionou que durante seu périplo ansiava por seus pratos favoritos. Seu sonho por mais de um ano foi "comer uma tortilha, frango, ovos, beber muita água", disse. Além disso, durante a conversa esclareceu que, embora não seja casado, tem uma filha chamada Fátima Maeva, a quem está ansioso para voltar a ver.

Já seus pais, que vivem em El Salvador, temeram seriamente por sua vida. "Dou graças a Deus por ver meu filho, acreditava que estava morto", declarou à rede de televisão CNN sua mãe, María Julia Alvarenga, que junto ao seu
marido, Ricardo Orellana, vive em uma comunidade de Garita Palmera, 118 km a sudoeste de San Salvador.
"Graças a Deus está vivo. Estamos muito felizes. Só quero tê-lo aqui conosco", acrescentou sua mãe.

O governo salvadorenho trabalha com o do México para acelerar sua repatriação. Alvarenga disse com a ajuda do tradutor que saiu para pescar tubarões junto a um adolescente chamado Ezequiel e que ficaram à deriva na pequena embarcação de fibra de vidro de 7,3 metros de comprimento. O semblante do homem de 37 anos mudou ao descrever como seu acompanhante, que tinha entre 15 e 18 anos, morreu quatro meses depois de ter zarpado ao nãoconseguir sobreviver se alimentando com carne de aves e tartarugas, com o sangue delas e sua própria urina. Quando o jovem faleceu, Alvarenga lançou seu cadáver ao mar.

Na segunda-feira pescadores mexicanos reconheceram por fotografias o salvadorenho.  "É ele, é 'La Chancha', papai!", afirmou utilizando o apelido do náufrago um dos filhos de Guillermino Rodríguez Solís, o pescador chefe de Alvarenga, ao ver as fotografias de seu resgate mostradas pelos repórteres que viajaram à comunidade de Chocohuital, município de Pijijiapan, em Chiapas (sudeste). Rodríguez declarou que Alvarenga zarpou no fim de 2012 com todas as ferramentas necessárias para um dia normal de pesca de tubarão, possuía gasolina, água
suficiente e mantimentos para retornar em menos de 24 horas à costa de Chocohuital. O salvadorenho, conhecido na comunidade pesqueira como "La Chancha", se comunicou "em uma ocasião por rádio", mas foi antes da mudança repentina de clima, disse Rodríguez.

Bookmark and Share


Fonte: AFP





» Tags:Acidente Mar

O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.