Porto Alegre, quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

  • 04/02/2014
  • 20:41
  • Atualização: 20:53

Quadrilha de assalto a bancos e casas é condenada em Alvorada

Três dos quatro integrantes do bando já cumpre pena

  • Comentários
  • Rádio Guaíba

O juiz André de Oliveira Pires, da Comarca de Alvorada, condenou uma quadrilha acusada de envolvimento em assaltos a residências, sítios e clientes de banco no Rio Grande do Sul. Dos quatro réus, um está foragido, mas o homem considerado pelas vítimas o mais violento já está preso. Ele era cargo de confiança na Secretaria de Administração da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, onde exercia a função de motorista.

Chegou-se ao nome dos réus através de interceptação telefônica autorizada pela Justiça em relação aos celulares roubados das vítimas, usados pelo bando, além de outros produtos que foram objeto de roubo. Um empresário da região de Alvorada foi vítima, junto com a família, de tortura psicológica e física em casa, o que desencadeou a Operação Dragões Gêmeos, da Polícia Civil. Ele chegou a ser sufocado com um saco plástico na cabeça, a filha ameaçada de perder um dos dedos e a mãe teve o cabelo cortado por uma faca. A família ainda foi agredida a socos e coronhadas e foi deixada amordaçada. Nenhum dos criminosos usou disfarce, exceto bonés. Com a quadrilha, a polícia recuperou parte do que foi levado da residência.

Cinco meses depois o crime, as vítimas reconheceram dois dos réus. Foi quando ameaças começaram a chegar pelo telefone, citando, inclusive, o risco de incêndio em uma empresa da família.

Na 1ª Vara Criminal de Alvorada, o juiz André de Oliveira Pires destacou que as vítimas reconheceram o acusado. Todos os envolvidos no crime pertenciam a um mesmo grupo de futebol. Um deles foi identificado por exame papiloscópico. Todos tinham produtos do roubo na casa do empresário.

Dos três presos, dois foram condenados a 10 anos e meio de prisão em regime inicial fechado e um a sete anos e meio. Todos já cumprem as penas. O foragido foi condenado a 9 anos de reclusão.

Bookmark and Share


TAGS » Polícia, Alvorada