Porto Alegre, domingo, 21 de Dezembro de 2014

  • 05/02/2014
  • 10:22
  • Atualização: 16:39

Bloco de Luta organiza protesto para quinta em Porto Alegre

Evento conta com 391 pessoas confirmadas para ato na Praça Montevidéo

  • Comentários
  • Correio do Povo

O terceiro protesto de 2014 contra o aumento da passagem de ônibus em Porto Alegre acontece a partir das 17h desta quinta-feira. O ponto de partida será o Paço Municipal. O ato contará com apoio de rodoviários grevistas. A intenção do Bloco de Luta pelo Transporte Público é realizar atos simbólicos na frente do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RS) e do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4). O TCE/RS passou a ser alvo porque hoje, às 16h, votará o resultado da Inspeção Especial sobre o Transporte Público de Porto Alegre.

“Estamos atentos e não entendemos o motivo da antecipação”, afirmou Mateus Gomes, da coordenação do Bloco de Luta pelo Transporte Público, lembrando que, a partir do resultado, a prefeitura poderá iniciar a análise sobre a nova tarifa do transporte coletivo. Já o TRT4 passa a ser alvo por estar tentando mediar um acordo entre rodoviários grevistas e os empresários do setor de transporte coletivo.

O objetivo, segundo ele, não é prejudicar ainda mais os porto-alegrenses que estão há 11 dias sem ônibus. Lembrou que as demandas seguem as mesmas do último ano, com foco na redução do valor da tarifa e do transporte gratuito para desempregados, estudantes, quilombolas e indígenas. Gomes destaca a urgência da abertura de licitações para o transporte público da Capital. “Desejamos que todas as linhas sejam operadas pela Prefeitura, retirando o lucro dos empresários e possibilitando a redução da tarifa”, salientou.

Segundo ele, a abertura de licitações estava prometida pelo prefeito José Fortunati para o fim de 2013, mas foi adiada para 2014. “A crise no transporte exige do prefeito medidas drásticas. Ele precisa romper com a lógica do lucro e, desta forma, beneficiar a população”, destacou. No chamamento realizado por meio das redes sociais, o Bloco de Luta pelo Transporte Público voltará às ruas para também exigir reajuste salarial, redução da jornada e melhores condições de trabalho sem reajuste da passagem para os rodoviários. Para Gomes, somente com “a luta conjunta” será possível transformar o modelo de transporte.

Gomes ainda lamentou que o governo do Estado não esteja apoiando a prefeitura no sentido de atenuar os efeitos da greve sobre a população. “O governador Tarso Genro, do PT, está preocupado com o jogo eleitoral. A lógica é desgastar o prefeito José Fortunati, que é do PDT”, avaliou. Segundo ele, é inadmissível que os coletivos que atendem as linhas metropolitanas não tenham sido autorizados a transportar os porto-alegrenses neste período de greve.

Bookmark and Share