Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
22ºC
Amanhã
15º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

06/02/2014 13:08 - Atualizado em 06/02/2014 13:13

Corredores de ônibus vazios começam a virar rotina em Porto Alegre

Greve dos rodoviários levou ao aumento do fluxo de veículos na cidade

Corredores de ônibus vazios começam a virar rotina em Porto Alegre<br /><b>Crédito: </b> Tarsila Pereira
Corredores de ônibus vazios começam a virar rotina em Porto Alegre
Crédito: Tarsila Pereira
Corredores de ônibus vazios começam a virar rotina em Porto Alegre
Crédito: Tarsila Pereira

O 11º de greve dos rodoviários em Porto Alegre ampliou os transtornos à população. Pela cidade, a mudança na paisagem já se tornou rotineira. Corredores de ônibus quase vazios, uma vez que só circulam as lotações, vans escolares e o transporte alternativo – todos com a capacidade bem acima do ideal. Nas ruas, o fluxo de veículos é cada vez maior e reflete diretamente nos congestionamentos, como os registrados nas avenidas Ipiranga e Protásio Alves, pela manhã. Além disso, conseguir um táxi vazio se tornou quase uma caça ao tesouro.

Decisão do TCE não autorizará aumento da tarifa, diz Fortunati

No início da manhã, cinco ônibus da empresa Gazômetro, do Consórcio Unibus, chegaram a deixar a garagem. Mas após algumas ameaças, feitas por pessoas em motos, os motoristas retornaram. Enquanto isso, muitas pessoas começavam mais uma maratona para chegar ao serviço e cumprir os seus compromissos. Para alguns a solução estava mais próxima do que era esperada. Colegas de trabalho se articularam para, durante a greve, oferecer carona àqueles que utilizam o ônibus, explicou Paulo Ricardo Teixeira, no Terminal Antônio de Carvalho, na avenida Bento Gonçalves. Após alguns minutos, estacionava o colega, que já ia abrindo a porta do veículo para ele entrar. “Neste momento toda a ajuda é mais do que válida”, comemorou Teixeira.

A poucos metros dele, a vendedora Carla Rocha calculava com pessimismo os prejuízos em função da greve dos rodoviários. Além dos transtornos para conseguir chegar até o trabalho, na avenida Osvaldo Aranha, ela estava preocupada com a queda nas vendas. “Não sei como conseguirei pagar as contas neste mês. Recebo por comissão e mesmo indo até a loja, as vendas estão bem abaixo do esperado”, comentou.

Nas garagens a concentração de rodoviários permaneceu por toda a manhã, apesar de bem menor do que nos primeiros dias de mobilização. Na Carris e na Sudeste, do Consórcio Unibus, ambas no bairro Partenon, foram montados piquetes e integrantes do Movimento Bloco de Lutas pelo Transporte Público ocupavam a área de entrada das garagens. Na Sudeste, o grupo chegou por volta das 2h da madrugada.

No final da manhã, chegou a ocorrer uma reunião entre profissionais da Sudeste e a direção da empresa, que pedia o retorno das atividades. A negociação apenas entre os trabalhadores da empresa não vingou e a mobilização permaneceu.

Bookmark and Share

Fonte: Mauren Xavier / Correio do Povo





» Tags:Greve Geral Ônibus

O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.