Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
19º 27º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

06/02/2014 18:27

Tarso Genro admite possibilidade de não financiar Metrô da Capital

Governador voltou a condicionar empréstimo a aprovação do projeto que muda indexador da dívida dos Estados

Tarso voltou a condicionar empréstimo a aprovação do projeto que muda indexador da dívida dos Estados<br /><b>Crédito: </b> André Ávila / CP Memória
Tarso voltou a condicionar empréstimo a aprovação do projeto que muda indexador da dívida dos Estados
Crédito: André Ávila / CP Memória
Tarso voltou a condicionar empréstimo a aprovação do projeto que muda indexador da dívida dos Estados
Crédito: André Ávila / CP Memória

 Após uma série de reuniões em Brasília para tentar articular a aprovação do projeto de renegociação e mudança de indexador da dívida dos estados, o governador Tarso Genro admitiu que o Estado pode não cumprir a promessa de financiar o Metrô de Porto Alegre. Seguindo a orientação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, a maioria dos senadores aceitou o adiamento da votação para o mês de março.

No fim do ano passado, o Piratini garantiu R$ 1,080 bilhão para as obras de construção do empreendimento na Capital. Hoje, Tarso disse que se não houver garantias de renegociação do passivo com a União, “é impossível” garantir a verba. “Os demais financiamentos não serão afetados, mas o Metrô se torna impossível. Dissemos que iríamos utilizar o espaço fiscal permitido pela renegociação. Sem isso, da nossa parte, não há recursos”, reiterou.

O chefe do Executivo criticou duramente os argumentos do ministro para adiar a votação. Mantega se referiu à turbulência dos mercados internacionais e à possibilidade de enfraquecer a imagem do País diante de investidores estrangeiros. “Como se a conturbação dos mercados tivesse prazo para terminar. O Brasil mantém reservas e não deve se submeter à opinião de agências de risco”, avaliou.

No atual modelo de negociação dos juros do passivo dos Estados, em 2027, quando termina o prazo de pagamento da dívida gaúcha, ainda sobrarão R$14 bilhões a serem pagos. Com a aprovação do projeto, o Estado deixa de comprometer o mesmo volume de receita e já pode contratar até R$1 bilhão em financiamentos a partir do ano que vem.

Bookmark and Share



Fonte: Samantha Klein/Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.