Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
11º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

09/02/2014 09:10 - Atualizado em 09/02/2014 09:15

Furtos e assaltos se acentuam na época do verão

Autoridades alertam para a falta de atenção, o que pode atrair criminosos

Bolsas devem ficar junto do corpo e na parte da frente<br /><b>Crédito: </b> Mauro Schaefer
Bolsas devem ficar junto do corpo e na parte da frente
Crédito: Mauro Schaefer
Bolsas devem ficar junto do corpo e na parte da frente
Crédito: Mauro Schaefer

Na época de veraneio, a tendência é as pessoas ficarem mais relaxadas, até no quesito segurança. A ideia é que os criminosos migram para o Litoral Norte. Engano. A época de temperaturas elevadas, normalmente, acentua a quantidade de furtos, assaltos e arrombamentos nas cidades. O chefe do Estado Maior do Comando de Policiamento da Capital (CPC), major Roberto Damasceno Rodrigues, explica que os criminosos se aproveitam das oportunidades para praticar delitos. Por esse motivo, a população deve ficar mais atenta.

Ao caminhar pela rua, Damasceno orienta que as bolsas estejam junto do corpo e na parte da frente. “Os criminosos são ardilosos e agem em duplas”, salienta. “Um dá um esbarrão, enquanto o outro consegue cortar a bolsa e roubar o conteúdo”, explica. O uso do celular é um atrativo para os assaltantes, pois deixa as vítimas mais distraídas. O dinheiro deve estar dividido e nos bolsos da frente da calça. “É bom não ostentar joias e relógios”, lembra o oficial.

Com a alça da bolsa atravessada para dificultar a ação dos ladrões, a voluntária Rose Oliveira, 58 anos, diz que está sempre preocupada, mas confessa que nos últimos dias, em virtude do calorão, tem estado mais distraída. Ela já foi assaltada há alguns anos, justamente na época de verão e não quer dar oportunidade para levarem mais uma vez os seus pertences.

As cidades ficam mais vazias em fevereiro e as casas das pessoas, que se dirigem para as praias, frequentemente ficam trancadas e sem ninguém. Damasceno relata que em alguns casos os arrombadores conseguem abrir a fechadura ou cadeado. Eles chegam em caminhão de mudança para levar todos os móveis e eletrodomésticos. “As pessoas têm que adotar certos cuidados”, orienta. “Não basta fechar as portas e ir para o Litoral”, ressalta. Os moradores precisam ainda realizar algumas medidas, como transferir para o Litoral a assinatura de periódicos, pois os jornais e as revistas acumulados chamam a atenção dos bandidos. Conforme Damasceno, outro indicativo de casa vazia é a grama crescida. “É interessante fazer parcerias com os vizinhos. Informar por quanto tempo irá se ausentar e passar um telefone de contato. Algum amigo também pode passar e abrir as janelas. Deixar as luzes ligadas não é boa ideia, porque desperta o interesse durante o dia. “A luz é um chamariz”, explica.

Bookmark and Share


Fonte: karina Reif / Correio do Povo







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.