Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
19ºC
Amanhã
16º 21º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

09/02/2014 10:15 - Atualizado em 09/02/2014 10:16

Sobras de basalto trituradas servem para revestimento de vias no interior

Destinação correta dos rejeitos de mineração é uma das vantagens do processo

Rejeito é triturado por britador móvel<br /><b>Crédito: </b> Francielle Fão /Divulgação / CP
Rejeito é triturado por britador móvel
Crédito: Francielle Fão /Divulgação / CP
Rejeito é triturado por britador móvel
Crédito: Francielle Fão /Divulgação / CP

Mais de 26 mil metros cúbicos de rejeitos de pedras extraídas de um garimpo de Frederico Westphalen, no Médio Uruguai, já foram utilizados na pavimentação de 312 mil metros quadrados de estradas vicinais do interior do município. Os materiais são sobras de basalto do processo de extração de pedras semipreciosas. O rejeito, que normalmente fica acumulado nas proximidades das jazidas, provocando problemas ambientais, é fragmentado por um britador móvel instalado na Linha Progresso.

Segundo o secretário municipal de Meio Ambiente, Ivan Viana, dezenas de trechos de estradas já receberam o material, que é espalhado na pista e compactado. Ele informa que o britador móvel foi adquirido com recursos do Fundo Estadual de Meio Ambiente da Secretaria Estadual de Meio Ambiente. Conforme o secretário, a Pasta disponibilizou R$ 250 mil e, como contrapartida, o município participou com R$ 100 mil. Do total de recursos, R$ 330 mil foram destinados para a aquisição do equipamento e o restante, R$ 20 mil, é utilizado para se efetuar a regularização ambiental da unidade de triagem e processamento.

Conforme o secretário de Obras, Orlando Girardi, esse trabalho, iniciado há um ano em Frederico Westphalen, contribui para a preservação ambiental, tendo em vista que é necessário dar destinação final para os rejeitos. “A brita deve ser utilizada principalmente em estradas com pouco cascalho, pois adere melhor a esse tipo de solo”, explica. Ele acrescenta que o material pode ter uma durabilidade de cerca de oito anos, enquanto o cascalho comum dura cerca de dois anos. Girardi destaca ainda que a pavimentação das vias é priorizada em função da necessidade de boas estradas para escoar a produção rural do município.

O secretário Viana afirma que a principal vantagem da ação, em termos ambientais, é a destinação correta dos rejeitos de mineração, pois este é um dos maiores entraves na regularização das unidades de extração de pedras preciosas. Segundo ele, também destaca-se a significativa melhoria proporcionada por esse material nas vias.

Bookmark and Share


Fonte: Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.