Correio do Povo

Porto Alegre, 23 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
19ºC
Amanhã
13º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

11/02/2014 19:41 - Atualizado em 11/02/2014 19:47

Ministério notificará 89 profissionais que deixaram o Mais Médicos

Participantes terão 48 horas para se manifestar sobre continuar no programa

O Ministério da Saúde vai notificar, nesta quarta-feira, 89 profissionais do Programa Mais Médicos, que deixaram de comparecer às unidades de atendimento à qual foram destinados. Segundo o ministro da Saúde, Arthur Chioro, os médicos terão 48 horas para manifestar se permanecem ou deixam o programa. Caso não cumpram o prazo, serão desligados. São casos como o do médico cubano Ortelio Jaime Guerra, no qual não houve aviso formal de desistência.

Do total, 80 são médicos formados no Brasil, cinco estrangeiros inscritos individualmente e quatro cubanos do acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). A cubana Ramona Rodriguez não está na lista, já que a pasta publicará o desligamento formal dela. Além desses, 22 cubanos já se desligaram formalmente. "Comparando com experiências internacionais, é insiginificante o número de desistências", avaliou o ministro. Ele disse que o importante é concluir o processo de desligamento formalmente para que o ministério possa suprir a ausência do médico.

Chioro anunciou, ainda,  que na próxima quinta-feira será publicado um conjunto de regras para deixar claro o processo de abandono do programa, especificando como o município vai notificar o Ministério da Saúde e quais os prazos para formalizar a desistência. Os médicos formados fora do Brasil, que desistirem do programa, terão o registro provisório cancelado, já que ele só é válido na atuação pelo Mais Médicos.

Também quinta-feira será publicada uma consolidação das regras a serem cumpridas pelos municípios que participam do Mais Médicos. As regras, que hoje fazem parte de três documentos, são relativas à alimentação, à moradia e ao transporte, quando necessário, para os profissionais do programa.

Com a publicação, o ministério também dará o prazo de 15 dias para que os municípios se adequem às normas. Caso isso não aconteça, o município pode deixar de receber médicos da terceira etapa do programa e até ser descredenciado. Até agora, um município foi desligado do programa por não cumprir as normas: Ceará-Mirim, no Rio Grande do Norte.

Atualmente, o Mais Médicos conta com a atuação de 6.658 profissionais em 2.166 municípios e 28 distritos indígenas. Com o encerramento do período de acolhimento dos médicos da terceira etapa, o programa deve receber mais 2.890 profissionais que atenderão alguns municípios que já têm médicos do programa, além de 1.113 municípios que ainda não receberam profissionais.

O governo pretende atender toda a demanda dos municípios que têm Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) baixo e regiões consideradas vulneráveis. Quando perguntado sobre as declarações feitas pelo procurador do Ministério Público do Trabalho, Sebastião Caixeta, que disse ser irregular o tipo de contratação de médicos feita pelo programa, Chioro afirmou ter segurança sobre a legalidade, e lembrou que o Ministério da Saúde ganhou todas as ações na Justiça que atacavam o programa. O ministro reiterou, porém, que o governo está aberto ao diálogo.


Bookmark and Share


Fonte: Agência Brasil







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.