Correio do Povo

Porto Alegre, 21 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
12º 28º


Faça sua Busca


Notícias > Geral > País

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

13/02/2014 20:38 - Atualizado em 13/02/2014 22:03

Governo muda o discurso e admite “risco baixíssimo” no fornecimento de energia

MME diz que garantia de abastecimento é condicionada ao clima e ao comportamento dos reservatórios

O ministro Edison Lobão coordena reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE)<br /><b>Crédito: </b> Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / CP
O ministro Edison Lobão coordena reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE)
Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / CP
O ministro Edison Lobão coordena reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE)
Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / CP

Pela primeira vez, o governo mudou o tom em relação aos recorrentes problemas de energia elétrica Dos últimos meses e admitiu o risco de desabastecimento. Em extensa nota divulgada nesta quinta-feira, pelo Ministério de Minas e Energia, no trecho final, em que o governo assegura a normalidade no fornecimento de eletricidade este ano, a garantia é condicionada a fatores climáticos e ao consequente comportamento dos reservatórios das hidrelétricas.

"Portanto, a não ser que ocorra uma série de vazões pior do que as já registradas, evento de baixíssima probabilidade, não são visualizadas dificuldades no suprimento de energia no País em 2014", diz o comunicado.

A nota foi divulgada durante reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). O secretário de Energia Elétrica do Ministério, Ildo Grüdtner, limitou-se a ler o comunicado, sem responder às perguntas dos jornalistas.

O teor da nota oficial contrasta com as recentes afirmações do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. Um dia antes do apagão de 4 de fevereiro, Lobão disse que o risco de desabastecimento era nulo. "Estamos com mais de 40% nos principais reservatórios. Não enxergamos nenhum risco de desabastecimento de energia. Risco zero", afirmou na ocasião.

O governo confirmou que as chuvas e o volume de água que chega aos reservatórios das hidrelétricas do País foram inferiores ao esperado. Segundo o comitê, em janeiro e na primeira semana de fevereiro, as afluências ficaram em 54% da média histórica nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e de 42% no Nordeste.

Ainda assim, o ministério reiterou que há segurança e equilíbrio estrutural. Segundo o governo, há uma sobra de energia de 9% em relação às projeções feitas para o ano. A carga prevista é de 67 mil MW médios e há uma folga de 6,2 MW mil médios. A sobra considera um risco de 5% de que a oferta de energia seja inferior à demanda, considerando a série histórica das condições climáticas, iniciada em 1931.

Bookmark and Share


Fonte: AE






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.