Correio do Povo

Porto Alegre, 17 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
18º 25º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

15/02/2014 18:09 - Atualizado em 15/02/2014 18:13

Cães são usados para ajudar a salvar vidas

Quatro Labradores integram equipe do GBS, que atua em resgates de feridos e localização de mortos em acidentes

Animais começam treinamentos ainda filhos e ficam prontos após um ano<br /><b>Crédito: </b> Grupamento de Busca e Salvamento / Divulgação / CP
Animais começam treinamentos ainda filhos e ficam prontos após um ano
Crédito: Grupamento de Busca e Salvamento / Divulgação / CP
Animais começam treinamentos ainda filhos e ficam prontos após um ano
Crédito: Grupamento de Busca e Salvamento / Divulgação / CP

O faro de um cão é a diferença entre a vida e a morte de feridos, como, por exemplo, as pessoas que ficam presas sob escombros. A localização é muito acelerada com o uso dos cachorros, explica o comandante do Grupamento de Busca e Salvamento (GBS), major Roberto do Canto Wilkoszynski. Segundo ele, o auxílio dos animais facilita o trabalho e melhora o tempo resposta, que é muito importante para a sobrevivência. O oficial ressalta que esse sentido aguçado nos caninos também é ferramenta para localizar pessoas desaparecidas.

Quatro Labradores integram a equipe, que atua em resgates de feridos e localização de mortos em acidentes, no Rio Grande do Sul. Além desses, há dois filhotes da mesma raça em preparação. Também estão sendo testados Pastores Belgas Malinois. Os cães passam por treinamentos constantes e só ficam prontos para atuar após um ano.

Até dois animais são acompanhados por um treinador. “É importante ter vínculo um com o outro”, atesta o sargento Milton Pithan, que se comunica até mesmo por meio do olhar com os labradores Frank e Atena. “Com uma levantada de orelha eu já sei que tem alguma coisa”, diz, salientando que a preparação é tão intensa que os cachorros sabem exatamente o que precisam procurar quando chegam no local de um deslizamento, por exemplo. O treino é feito com uma bola, e os cães sabem que têm de procurar a pessoa que estaria com ela.

Assim como cão sente segurança com o treinador e se acostuma com ele, o mesmo acontece com o responsável pelo cachorro. Para Pithan, o vínculo afetivo entre homem e animal é muito forte. O limite de idade para o efetivo canino do GBS é de 7 anos. Um dos casos em que os Labradores atuaram foi na localização de um corpo, em 2013. A Polícia tinha uma suspeita, e os cachorros farejaram o cadáver, que estava a 10 centímetros do solo, coberto de concreto.

Animal é usado em várias instituições

Não é novo o uso de cães pelas forças policiais. Os animais utilizados pelo GBS não fazem buscas de drogas, por exemplo. Servem somente para encontrar pessoas. No entanto, em instituições como a Polícia Federal e o Denarc, os cachorros são importantes para detectar drogas. A Receita Federal trabalha com caninos na área aduaneira, como portos, aeroportos, postos de fronteira. Os Correios também possuem o seu plantel.
As raças mais apropriadas são Pastor Alemão e Pastor Belga Malinois. Nos órgãos que usam cães para determinado trabalho há sempre o acompanhamento de um veterinário.

Bookmark and Share


Fonte: Karina Reif / Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.