Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
16º 20º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

18/02/2014 10:53 - Atualizado em 18/02/2014 11:02

Três manifestantes morrem durante confrontos na Ucrânia

Entre os 150 feridos, 30 estão em estado grave

Polícia utilizou bombas de efeito moral e balas de borracha contra os manifestantes<br /><b>Crédito: </b> Serguei Supinsky / AFP / CP
Polícia utilizou bombas de efeito moral e balas de borracha contra os manifestantes
Crédito: Serguei Supinsky / AFP / CP
Polícia utilizou bombas de efeito moral e balas de borracha contra os manifestantes
Crédito: Serguei Supinsky / AFP / CP

Três manifestantes morreram atingidos por balas durante confrontos com as forças de segurança nesta terça-feira em Kiev, enquanto ativistas da oposição ocuparam brevemente a sede do Partido das Regiões, do presidente ucraniano Viktor Yanukovytch. "Ao menos três pessoas morreram. Todas atingidas por balas", declarou à imprensa Oleg Moussi, chefe do serviço médico da oposição. Além disso, ao menos 150 manifestantes ficaram feridos, 30 deles gravemente. Um manifestante teve uma mão amputada, enquanto outros sofreram traumatismos cranianos e ferimentos nos braços e pernas.

A oposição havia prometido uma "ofensiva pacífica" para pressionar os deputados no Parlamento, reunindo 20.000 pessoas para uma passeata que degenerou em violentos confrontos. A polícia utilizou bombas de efeito moral e balas de borracha contra os manifestantes, que responderam com pedras contra os agentes que protegiam o local. A polícia contabilizou 37 feridos entre seus agentes.

Mais de 200 manifestantes atacaram durante a manhã a sede do partido do presidente Yanukovytch com coquetéis molotov e quebraram as portas com machados. Os ativistas chegaram a invadir e ocupar o local, mas precisaram se retirar com a aproximação das forças de segurança. Os confrontos entre as duas partes se espalharam por várias ruas deste bairro governamental.

Nesta terça-feira, os deputados ucranianos deveriam examinar um projeto de reforma constitucional que reduz os poderes do presidente em benefício do governo e do Parlamento. Estes foram os primeiros confrontos em Kiev desde o fim de janeiro, quando os enfrentamentos deixaram quatro mortos e mais de 500 feridos.

Durante a manhã, o comando da oposição, na Praça da Independência, ocupada há três meses pelos manifestantes hostis ao presidente Yanukovytch, tentava evitar os confrontos entre os elementos mais radicais dos protestos e a polícia. "Nosso objetivo é cercar o Parlamento e bloquear o local para impedir que os deputados nomeiem um primeiro-ministro 'russo'", declarou Andrii Parubii, deputado de oposição e integrante do partido da ex-primeira-ministra Yulia Timochenko. Uma ala da oposição acredita que Yanukovytch poderia nomear nesta terça-feira um novo primeiro-ministro.

A oposição acusa o governo ucraniano de ceder às pressões de Moscou desde que Yanukovytch desistiu de assinar, em novembro, um acordo de associação com a União Europeia e optou por uma negociação com a Rússia.

Violência é "resultado" da política Ocidental. O embaixador americano na Ucrânia, Geoffrey Pyatt, lamentou "a retomada da violência" na capital do país. "É preciso que a política seja feita no Parlamento, e não na rua", escreveu em sua conta no Twitter. Por sua vez, a diplomacia russa declarou que este retorno à violência é o "resultado" da política dos ocidentais que encorajaram a escalada de tais atos. "O que acontece atualmente na Ucrânia é o resultado direto da política e apaziguamento dos políticos ocidentais e das estruturas europeias que, desde o início da crise, fecham os olhos para atos agressivos das forças radicais no país, incentivando a escalada e as provocações contra a autoridade legal", considerou o Ministério russo das Relações Exteriores em um comunicado. "Nós pedimos mais uma vez à oposição ucraniana para que renuncie às ameaças e aos ultimatos e que inicie um diálogo com o poder a fim de permitir uma saída para a crise", acrescentou o ministério.

Bookmark and Share



Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.