Porto Alegre, terça-feira, 21 de Outubro de 2014

  • 18/02/2014
  • 11:12
  • Atualização: 11:13

Ministério da Justiça da Itália quer manter Pizzolato na prisão

Pedido formal será feito à Corte de Apelação de Bolonha

  • Comentários
  • Agência Brasil

O Ministério da Justiça italiano quer manter preso o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, e vai fazer esse pedido formalmente à Corte de Apelação de Bolonha, tribunal responsável pelo julgamento do caso. O chefe de gabinete do procurador-geral da República do Brasil, Eduardo Pellela, e o chefe de Cooperação Internacional da Procuradoria-Geral da República (PGR), Vladimir Aras, estão na Itália para tratar da extradição de Pizzolato com autoridades do Ministério Público e dos Poderes Executivo e Judiciário do país europeu.

Para a PGR, manter o ex-dirigente na prisão - como deseja o Ministério da Justiça italiano, pode ser um indicativo de que o país considera a possibilidade de extraditar Pizzolato. Em novembro de 2012, o ex-dirigente do Banco do Brasil foi condenado a 12 anos e sete meses de prisão na Ação Penal 470, o processo do mensalão, e em novembro fugiu para Itália. Ele foi preso no último dia 5 de fevereiro e é acusado de substituição de pessoa, falsidade ideológica e falso testemunho pela justiça italiana.

Pizzolato tem dupla cidadania e, pela legislação italiana, cidadãos nacionais não podem ser extraditados, mas cabe ao governo tomar a decisão final sobre a questão. A próxima etapa do caso é a decisão do juiz da corte de Bologna. Nesta terça-feira , os representantes do judiciário brasileiro estão em Modena para se reunirem com autoridades italianas. A agenda de ambos termina hoje, mas não foi confirmado quando retornam ao Brasil.

Bookmark and Share