Porto Alegre, sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

  • 20/02/2014
  • 07:42
  • Atualização: 09:01

Novos confrontos deixam pelo menos 25 mortos na Ucrânia

Mesmo com anúncio de trégua pelo presidente, protestos prosseguiram

Novos confrontos deixam pelo menos 25 mortos Ucrânia | Foto: Dmitry Serebryakov / AFP / CP

Novos confrontos deixam pelo menos 25 mortos Ucrânia | Foto: Dmitry Serebryakov / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Pelo menos 25 manifestantes morreram nesta quinta-feira no centro de Kiev, cenário de confrontos com as forças de segurança ucranianas. Corpos de pelo menos 10 manifestantes estavam em frente à Praça da Independência, diante do hotel Kozatski. Outros sete corpos foram localizados na entrada do hotel Ukraina, do outro lado da praça e mais oito estavam diante da sede dos Correios.

O presidente ucraniano, Viktor Yanukovytch, anunciou nesta quarta-feira uma “trégua” com a oposição, diante da ameaça de sanções ocidentais contra o seu governo no dia seguinte a graves episódios de violência que deixaram 26 mortos em Kiev. O registro mais recente dos protestos dessa terça-feira, divulgado pelo Ministério da Saúde, também contabilizou 241 feridos hospitalizados, incluindo 79 policiais e cinco jornalistas. Ao menos dez policiais estão entre os mortos, segundo o Ministério do Interior

Em um pronunciamento à nação durante a noite de terça para quarta-feira, enquanto os policiais avançavam contra os manifestantes no centro de Kiev, o presidente foi taxativo com a oposição, acusando suas lideranças de pregarem a “luta armada” para tomar o poder e ameaçando de processá-los. No mesmo sentido, a Rússia denunciou uma "tentativa de golpe de Estado". O presidente americano, Barack Obama, advertiu nessa quarta para as “conseqüências” da violência na Ucrânia e ressaltou que o “governo de Kiev deve garantir aos ‘manifestantes pacíficos’ o direito de se manifestar sem medo de serem reprimidos”.

A capital ucraniana será palco nesta quinta-feira de uma intensa atividade diplomática, com as chegadas dos chefes da diplomacia francesa, alemã e polonesa e de um alto funcionário russo.





Bookmark and Share