Correio do Povo

Porto Alegre, 17 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
25ºC
Amanhã
19º 26º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

22/02/2014 14:15 - Atualizado em 22/02/2014 17:20

Rússia condena oposição e denuncia ameaça da soberania da Ucrânia

Serguei Lavrov conversou com telefone com diplomatas alemão, francês e polonês

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, denunciou neste sábado a atitude da oposição ucraniana depois do acordo concluído na véspera com o presidente Viktor Yanukovytch e alertou para uma ameaça à soberania da Ucrânia. "Além de não cumprir suas obrigações, a oposição impôs novas exigências, submetendo-se aos extremistas armados e aos criminosos, cujos atos constituem uma ameaça direta à soberania e à ordem constitucional da Ucrânia", declarou o Ministério russo das Relações Exteriores em um comunicado.

Lavrov conversou por telefone com seus homólogos alemão, Frank-Walter Steinmeier, francês, Laurent Fabius, e polonês, Radoslaw Sikorski, e manifestou sua "mais profunda preocupação com a incapacidade dos signatários do acordo de 21 de fevereiro em Kiev" de cumprirem suas obrigações, segundo a mesma fonte. Ele pediu que usem sua "influência sobre a oposição para obter um estabelecimento rápido" desse acordo.

De acordo com o comunicado, os interlocutores de Lavrov "compartilharam a preocupação da Rússia, reconheceram que a oposição não tinha cumprido a sua parte das obrigações e prometeram seguir as medidas de emergência para que os acordos sejam adotados". Em duas declarações distintas publicadas pouco antes em Berlim e em Paris, Steinmeier e Fabius pediram que governo e oposição na Ucrânia respeitassem o acordo para acabar com a crise, que prevê importantes concessões por parte de Yanukovytch.

A oposição começou neste sábado a assumir o poder na Ucrânia, mas o presidente ucraniano, que era há pouco tempo considerado intocável, denunciou em Kharkiv (leste da Ucrânia) um "golpe de Estado" e se negou a renunciar. Mas o presidente da Comissão Parlamentar das Relações Exteriores na Duma (câmara baixa do Parlamento russo), Alexei Puchkov, lamentou o "triste fim" do presidente ucraniano. "Deixam qualquer um entrar na mansão de Yanukovytch, no subúrbio de Kiev: ele fugiu, seus guardas fugiram, os empregados de sua residência fugiram (...) Triste fim para um presidente", escreveu em sua conta no Twitter.

Bookmark and Share

Fonte: AFP







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.