Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 24/02/2014
  • 10:02
  • Atualização: 10:26

Brasil resistiu à crise mundial, afirma Dilma na Bélgica

Presidente participa da cúpula Brasil-União Europeia, realizada em Bruxelas

Presidente do Conselho da UE, Herman Van Rompuy   e Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso recebem a presidente  Dilma | Foto: GEORGES GOBET / AFP /CP

Presidente do Conselho da UE, Herman Van Rompuy e Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso recebem a presidente Dilma | Foto: GEORGES GOBET / AFP /CP

  • Comentários
  • AE

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta manhã desta segunda-feira, em Bruxelas, na Bélgica, que a superação da crise na zona do euro "é fundamental para garantir o vigor da economia mundial". "O Brasil tem interesse direto na recuperação da economia europeia, haja vista a diversidade e a densidade dos laços comercias e investimentos", disse, ao lado do presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, e do Conselho Europeu, Herman Von Rompuy, em declaração conjunta após participar da cúpula Brasil-União Europeia.

Segundo Dilma, o Brasil resistiu aos efeitos "da pior crise mundial desde 1929". "Nós resistimos a seus priores efeitos graças a políticas que garantiram emprego e renda", destacou. A presidente garantiu ainda que o governo brasileiro considera que "política fiscal é e continuará sendo importante".

Destacando feitos econômicos do seu governo, Dilma afirmou que o Brasil conseguiu manter a inflação dentro do controle, de acordo com o regime de metas estabelecido, e que o País alcançou uma melhora nas contas públicas. "Nosso sistema financeiro é sólido e nossas reservas estão em torno de US$ 376 bilhões", afirmou. De acordo com a presidente, essa reserva dá "tranquilidade" ao Brasil para enfrentar novas turbulências.

A presidente exaltou ainda a ascensão de 42 milhões de brasileiros à classe média e a geração de 4,5 milhões de empregos entre 2011 e 2013. Segundo Dilma, "essa nova realidade brasileira justifica o importante fluxo de investimentos que recebemos nos últimos anos".

Dilma afirmou que a participação de investidores privados europeus no Brasil tem sido muito importante. "O relacionamento comercial entre Europa e Brasil é especial", afirmou, destacando os investimentos recíprocos. "A União Europeia continua sendo nosso principal parceiro", disse. "E o Brasil tem se consolidado como importante investidor na União Europeia.

A presidente Dilma Rousseff aproveitou também a oportunidade para criticar e dizer que estranha a contestação da Europa na Organização Mundial do Comércio (OMC) de "programas essenciais para a economia brasileira". "Eu me refiro ao Inovar-Auto e ao Programa da Zona Franca de Manaus", disse. Segundo ela, o Inovar-Auto é um importante programa tecnológico do Brasil e a Zona Franca é "fundamental para conservarmos a floresta (amazônica) em pé".

Para Dilma, é estranho que a União Europeia conteste a proposta da Zona Franca de Manaus, que é focada em uma produção ambientalmente limpa. "A Zona Franca de Manaus não é uma zona de exportação. É de produção para o Brasil e nela se gera emprego e renda", destacou.

A presidente destacou ainda que a região, que tem a maior floresta tropical do mundo, precisa ser preservada também por questões ambientais, como evitar a emissão de gases de efeito estufa. "Portanto, ela (a zona Franca) tem um objetivo, que é evitar o desmatamento", reforçou.


Bookmark and Share